Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de junho de 2016. Atualizado às 18h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

21/06/2016 - 18h37min. Alterada em 21/06 às 18h37min

Dólar encerra sequência de quedas e fecha na máxima do dia, a R$ 3,41

Após um dia volátil, o dólar fechou na máxima na sessão desta terça-feira (21), aos R$ 3,4134, em alta de 0,41% no mercado à vista, acompanhando a elevação de 0,50% do Dollar Index no final do dia. O movimento foi conduzido pela cautela dos investidores em relação ao resultado do referendo que vai decidir se o Reino Unido permanece ou não na União Europeia. O giro financeiro somou US$ 1,987 bilhão. Já no mercado futuro, o contrato para julho subiu 0,57%, aos R$ 3,4240. O volume negociado atingiu US$ 14,478 bilhões.
O superintendente regional de câmbio na SLW Corretora, João Paulo de Gracia Corrêa, apontou que a tendência é de muita volatilidade até sexta-feira, quando deve ser conhecido o resultado do referendo do Reino Unido. "A diferença na intenção de votos, mostrada nas pesquisas, é muito pequena, para um lado ou para o outro. Até a definição disso, o câmbio vai ter volatilidade", afirmou.
A moeda norte-americana abriu em baixa, dando sequência às perdas das cinco sessões anteriores, pressionada pelo cenário externo e reagindo ao IPCA-15 de junho melhor que o esperado. Ao cair à mínima pela manhã de R$ 3,3565 (-1,26%), o dólar passou a acumular perdas de 3,61% no período, atraindo compradores e nutrindo o debate sobre o nível de tolerância do BC à baixa, segundo operadores de câmbio.
As cotações viraram para o lado positivo depois do meio-dia, com o sinal da presidente do Fed, Janet Yellen, de que a moeda norte-americana poderia se fortalecer em caso de eventual saída do Reino Unido da União Europeia. Porém, Yellen também apontou crescimento fraco dos EUA e juros baixos no longo prazo em seu depoimento no Senado, o que contribuiu ainda para tirar força das cotações durante a tarde. Ingressos de fluxo comercial e financeiro ajudaram a reconduzir os preços para o lado negativo. Já no final do dia, voltou a sensação de alerta com o Reino Unido.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia