Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de junho de 2016. Atualizado às 09h57.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

21/06/2016 - 09h57min. Alterada em 21/06 às 09h57min

Inflação pelo IPCA-15 cai para 0,40% em junho

Queda do IPCA-15 reflete retração nos preços da maioria dos grupos de produtos e serviços

Queda do IPCA-15 reflete retração nos preços da maioria dos grupos de produtos e serviços


ANA PAULA APRATO/ARQUIVO/JC
Agência Brasil
A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) desacelerou de maio para junho, fechando em 0,4%, menos da metade do índice de maio (0,86%) e o menor IPCA-15 desde junho de 2013, quando foi de 0,38%. 
Os dados do IPCA-15 - uma prévia da inflação oficial do país para maio - foram divulgados nesta terça-feira (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com a desaceleração do indicador em relação a junho, o Índice de Preços ao Consumidor Ampliado Especial (IPCA-E) - que é o IPCA-15 acumulado por trimestre (no caso, abril, maio e junho), fechou em 1,78%, quase 1 ponto percentual (0,9%) abaixo da taxa de 2,68% de igual período de 2015.
O resultado faz com que a taxa acumulada no primeiro semestre do ano seja de 4,62%, abaixo dos 6,28% do primeiro semestre do ano passado. O IBGE ressalta, ainda, o fato de que, considerando os últimos 12 meses, o índice caiu 0,64 ponto percentual, para 8,98%. Nos doze meses encerrados em maio, a taxa era de 9,62%. Em junho de 2015, havia sido de 0,99%.
A queda do IPCA-15 em junho reflete retração nos preços da maioria dos grupos de produtos e serviços, com destaque para Saúde e Cuidados Pessoais (1,03%), Alimentação e Bebidas (0,35%) e Transportes, este último fechando com deflação (inflação negativa) de 0,69%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia