Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de junho de 2016. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema Financeiro

Notícia da edição impressa de 21/06/2016. Alterada em 20/06 às 21h07min

Banco Central lança regras para notas suspeitas de falsificação

Índice de registros de cédulas falsas por milhão no Brasil é de 75

Índice de registros de cédulas falsas por milhão no Brasil é de 75


GIL GOSCH/ARQUIVO/JC
O Banco Central (BC) regulamentou, na tarde de ontem, as regras para a retenção de cédulas e moedas suspeitas de falsificação, que haviam sido definidas no Conselho Monetário Nacional (CMN) do mês passado. Agora, os bancos são obrigados a trocar imediatamente numerário com possibilidade de não ser verdadeiro, quando este for obtido em terminais eletrônicos dentro das agências bancárias. Os processos internos de envio e análise das notas entre as instituições financeiras e o BC ainda vão demorar seis meses para entrar em vigor para que os bancos tenham tempo hábil para se adequarem.
Neste caso, daqui a 180 dias, haverá um cronograma a ser seguido. Na primeira etapa, a instituição financeira precisa encaminhar o dinheiro suspeito ao Banco Central. A contagem de tempo pode ser feita de duas maneiras: em até 30 dias corridos, se a cédula foi retida em um município em que há uma representação da autoridade monetária; ou em até 45 dias, para localidades sem a presença do BC. Na segunda etapa, a autarquia analisa o dinheiro suspeito e coloca o resultado na internet até, no máximo, 20 dias corridos após o recebimento da nota ou moeda pelo banco. O detalhamento dessas regras foi publicado no BC Correio, serviço de informação da instituição com o mercado financeiro, por meio da Circular nº 3.789, assinada pelo diretor de administração da autarquia, Luiz Feltrim.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia