Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de junho de 2016. Atualizado às 18h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

20/06/2016 - 18h32min. Alterada em 20/06 às 18h32min

Índice Bovespa tem quarta alta seguida com influência externa

A Bovespa teve nesta segunda-feira (20), sua quarta alta consecutiva, mais uma vez influenciada pelo cenário internacional. O bom humor do investidor estrangeiro se apoiou em pesquisas que mostraram menor chance de saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit. Influenciado pelos mercados europeus e americano, o Índice Bovespa fechou em alta de 1,61%, aos 50.329,36 pontos. O noticiário político, embora relevante, foi mais uma vez minimizado.
Pesquisas de opinião divulgadas no final de semana confirmaram o que os investidores já apostavam na semana passada, após o assassinato da deputada trabalhista britânica Jo Cox, contrária ao Brexit. Levantamento da Survation publicado pelo jornal Mail on Sunday mostrou que o grupo que votará pela permanência do país na UE cresceu e está com 45% das intenções de voto, contra 42% do grupo que optará pelo Brexit. A pesquisa YouGov para o The Sunday Times mostrou 44% para o "permanecer" e 43% para o "sair". Um levantamento feito pelo instituto Opinium e publicado domingo pelo The Observer mostra ambos os lados com 44% das intenções de voto.
As bolsas europeias reagiram com forte alta e contagiaram os demais mercados. No Reino Unido, o índice FTSE 100 subiu 3,04%. O movimento comprador se estendeu para as bolsas americanas e também para o mercado brasileiro.
A melhora do apetite por risco, com menor temor dos riscos do Brexit, enfraqueceu o dólar e fortaleceu commodities, como o petróleo, que subiu mais de 2% tanto na bolsa de Londres como na de Nova Iorque. Com isso, as ações da Petrobras encontraram espaço para avançar e terminaram o dia com altas de 2,99% (ON) e 2,57% (PN). Mesmo com o minério de ferro estável, Vale ON (+1,90%) e Vale PNA (+1,63%) acompanharam os pares internacionais e contribuíram para o avanço do índice.
Outro reflexo importante do fortalecimento das apostas no Bremain (permanência do Reino Unido na UE) foi a alta das ações do setor financeiro. Responsáveis por mais de 25% da composição do Ibovespa, os papéis de bancos recuperaram parte das perdas recentes e avançaram firmemente. Nesse segmento, destaque para Banco do Brasil ON, com alta de 3,69%. BM&FBovespa avançou 3,61% e Itaú Unibanco PN, 1,66%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia