Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de junho de 2016. Atualizado às 16h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

rio-2016

19/06/2016 - 16h49min. Alterada em 19/06 às 16h49min

Estado de calamidade não afetará Olimpíada, diz Eduardo Paes

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), reafirmou na manhã deste domingo (19) que os Jogos Olímpicos, a serem disputados em agosto, não serão afetados pela decretação de estado de calamidade pelo governo estadual em função da crise financeira. Segundo Paes, a capital fluminense "vive uma situação fiscal absolutamente confortável". A calamidade financeira foi decretada na sexta-feira (17) pelo governador em exercício, Francisco Dornelles.
Amparado pelo decreto, o governo federal editará uma medida provisória de socorro ao Rio, a qual destinará R$ 3 bilhões em transferência direta da União para o Estado. Os recursos deverão ser destinados à conclusão da linha 4 do metrô, entre Barra da Tijuca (zona oeste) e Ipanema (zona sul), e ao pagamento do funcionalismo municipal, pois os salários estão atrasados. A linha 4 foi um dos compromissos da candidatura do Rio à Olimpíada. Uma das justificativas de Dornelles para a decretação da calamidade é que a situação crítica das finanças impede o Estado de honrar compromissos assumidos para a realização dos Jogos.
Paes voltou a falar do assunto na inauguração do Túnel Prefeito Marcello Alencar, entre a zona portuária e o início da pista sentido zona sul do Aterro do Flamengo. Ele disse que a crise não terá reflexo nos Jogos, diferentemente do que indica o decreto estadual. "A gente vive um situação fiscal absolutamente confortável. As dificuldades que o Estado passa não têm nada a ver com a Olimpíada, que permitiu fazer muita coisa no Rio. Isso aqui (túnel) não tem um tostão de dinheiro público nem de qualquer repasse federal para o município. Foi tudo com dinheiro privado", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia