Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de junho de 2016. Atualizado às 10h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

17/06/2016 - 10h54min. Alterada em 17/06 às 10h54min

Inflação de Porto Alegre recua para 0,55% na segunda semana do mês

Variação de preço da bergamota influenciou recuo da inflação na Capital

Variação de preço da bergamota influenciou recuo da inflação na Capital


IVAN DE ANDRADE/PALÁCIO PIRATINI/JC
A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) registrou queda em todas as capitais. Em Porto Alegre, o IPC-S passou para 0,55%. O resultado foi 0,02 ponto percentual (p.p.) inferior ao divulgado na primeira semana de junho, que foi de 0,57%. Os dados são Fundação Getulio Vargas (FGV).
Nesta edição, quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram desaceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos: Despesas Diversas e Saúde e Cuidados Pessoais, cujas taxas passaram de 3,42% para 2,16%, e de 1,30% para 0,96%, respectivamente. As pressões acima da variação média foram exercidas pelos grupos: Despesas Diversas; 2,16%, Alimentação; 1,07%, Saúde e Cuidados Pessoais; 0,96% e Vestuário; 0,81%. Abaixo da variação média, situaram-se os grupos: Transportes; 0,31%, Comunicação; 0,13%, Habitação; 0,07% e Educação, Leitura e Recreação; -0,43%.
Na Capital gaúcha, as maiores influências para a queda do índice vieram do recuo nos preços da bergamota (-16,15%) e da tarifa de eletricidade residencial (-1,63%).
No geral, a variação do IPC-S foi de 0,45% na segunda semana de junho, menor que a de 0,59% registrada na última divulgação. A maior contribuição para a desaceleração veio do grupo alimentação (0,6% para 0,29%), com destaque para o item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de -0,32% para -4,3%. Já os grupos transportes (-0,32% para -0,18%) e vestuário (0,62% para 0,66%) apresentaram acréscimo nas taxas de variação. Educação, leitura e recreação repetiram o mesmo índice, de -0,08%.
Na tabela a seguir, veja as variações percentuais das capitais pesquisadas:
IPC-S capitais
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia