Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de junho de 2016. Atualizado às 08h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

15/06/2016 - 08h22min.

Petróleo segue em queda em meio a preocupações com o excesso de oferta

Os preços do petróleo operam em queda nesta quarta-feira em meio a preocupações com o excesso de oferta e com os possíveis impactos no mercado caso o Reino Unido opte por sair da União Europeia em um plebiscito marcado para o dia 23/06.

Às 7h35min (de Brasília), o petróleo WTI para julho caía 0,93%, a US$ 48,04 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para agosto recuava 1,34%, a US$ 49,16 o barril, na ICE, em Londres.

O mercado tem registrado fortes perdas desde sexta-feira, quando a empresa que presta serviços para o setor Baker Hughes disse que o número de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA subiu pela segunda semana seguida.

As perdas foram agravadas nesta quarta-feira depois que o American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) estimou ontem no final da tarde que os estoques de petróleo bruto nos EUA tiveram alta de 1,2 milhão de barris na semana passada, contrariando a expectativa de queda de 2,3 milhões. O mercado aguarda agora com cautela a divulgação dos dados oficiais do Departamento de Energia (DoE), às 11h30 (de Brasília), com previsão de queda de 2,1 milhões de barris.

Enquanto isso, os investidores seguem atentos para a decisão de juros nos EUA e projeções macroeconômicas hoje às 15h (de Brasília), com foco no discurso da presidente do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA), Janet Yellen, às 15h30min, em busca de pistas sobre o ritmo das elevações de juros neste ano. Outro evento que segue no radar do mercado é o plebiscito para saber se o Reino Unido deve continuar ou não na União Europeia, disse Avtar Sandhu, analista de commodities da Philip Futures.

"O sentimento geral do mercado é negativo porque, embora a produção tenha abrandado, a oferta ainda está em excesso e um reequilíbrio ainda não começou", acrescentou Sandhu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia