Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de junho de 2016. Atualizado às 08h01.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

15/06/2016 - 08h01min.

Em clima de recuperação, Tóquio fecha em alta com rumores de estímulos pelo BoJ

A Bolsa de Tóquio fechou em alta nesta quarta-feira (15) em um movimento de recuperação, após uma onda de vendas vista no início desta semana em meio a preocupações sobre a possibilidade de o Reino Unido sair da União Europeia (ação conhecida como "Brexit"). Além disso, rumores de que o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) possa anunciar algum estímulo contribuiu para os ganhos.

O Nikkei, índice que reúne as empresas mais negociadas na capital do Japão, subiu 0,40%, a 15.919,58 pontos, após quatro sessões de perdas alimentadas pelo temor de um "Brexit".

Diante disso, os investidores foram às compras das ações mais baratas, beneficiando principalmente as seguradoras. Os papéis da Tokio Marine Holdings subiram 2,5% e os da MS & AD Insurance Group Holdings avançaram 2,4%.

O mercado japonês também foi ajudado por especulações de que o BoJ possa anunciar algum tipo de estímulo após a sua reunião de política monetária na quinta-feira.

Enquanto isso, alguns investidores preferiram não tomar posições agressivas antes da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA), marcada para 15h (de Brasília) desta quarta-feira.

Entre os movimentos individuais, as ações da varejista de medicamentos Tsuruha Holdings subiram 8,3%, o melhor desempenho entre as ações japonesas após uma capitalização de mais de US$ 2 bilhões no mercado. A empresa disse que suas vendas cresceram 20%, para US$ 5 bilhões e o lucro líquido subiu 12% graças à reestruturação logística e vendas de produtos de alto valor agregado para o ano fiscal encerrado em 15 de maio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia