Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de junho de 2016. Atualizado às 18h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

13/06/2016 - 18h26min. Alterada em 13/06 às 18h26min

Petróleo fecha em queda em meio a preocupações sobre produção nos EUA

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda nesta segunda-feira, registrando o patamar mais baixo em uma semana, após uma sessão de perdas relacionadas a sinais de aumento da oferta nos Estados Unidos.
O mercado tem observado recuos acentuados desde sexta-feira, quando a Baker Hughes informou que o número de plataformas de petróleo em atividade nos EUA aumentou pela segunda semana seguida. Hoje, dados divulgados pela Genscape mostraram que os estoques da commodity no centro de distribuição em Cushing, Oklahoma, cresceu em 525 mil barris na última semana.
Os números reforçam a leitura de que um aumento dos preços de petróleo nas últimas semanas estimulou os produtores a extraírem mais, o que diminui as expectativas de cortes na produção que possam aliviar os excedentes globais do combustível fóssil.
"Quanto mais os preços sobem, maior é a possibilidade de um aumento na produção, o que dificulta um aumento ainda maior dos preços", disse Mihir Kapadia, executivo-chefe da Sun Global Investments.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para julho fechou em queda de 0,39% (US$ 0,19), a US$ 48,88 por barril. Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para agosto recuou 0 37% (US$ 0,19), para US$ 50,35 por barril.
O número de plataformas em funcionamento nos EUA é 48% menor que no ano passado, apesar dos recentes aumentos. Mas a produção não manteve o ritmo, caindo apenas 9% durante o mesmo período, de acordo com números do governo.
"É claro que os produtores americanos aumentaram a produtividade e diminuíram os custos e, sem mais interrupções na produção, podem inundar o mercado de novo ainda no outono (do Hemisfério Norte)", disse Tariq Zahir, da Tyche Capital Advisors.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia