Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 09/06/2016. Alterada em 27/12 às 18h28min

CRM pretende retomar gestão da Mina do Leão II

Reserva de carvão no local é estimada em 95 milhões de toneladas

Reserva de carvão no local é estimada em 95 milhões de toneladas


ARQUIVO CRM /DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Depois de anunciar que encaminha o fim da extração de carvão da jazida São Vicente Norte, da Mina do Leão I (que fica localizada no município de mesmo nome), a Companhia Riograndense de Mineração (CRM) quer agora retomar o comando da Mina do Leão II, situada a seis quilômetros da primeira. Para isso, a estatal planeja romper o contrato de arrendamento que tem com a Carbonífera Criciúma.
O acordo foi firmado em 2002 e tem validade prevista de 30 anos. Contudo, o secretário de Minas e Energia, Lucas Redecker, salienta que, até hoje, a mina não entrou em atividade. O secretário acrescenta que a CRM busca a recuperação da mina até devido à necessidade de realizar a manutenção da estrutura. O dirigente explica que, como se trata de uma mina subterrânea, as galerias acabam enchendo-se de água, e ocorre a depreciação de equipamentos. "Pode ser uma alternativa para um novo investimento, na boca da mina, de geração de energia, com um custo logístico muito baixo", aponta.
Redecker prevê que a CRM assuma novamente a mina ainda neste ano, e posteriormente será buscada uma opção para o seu aproveitamento. O diretor administrativo da estatal, Ricardo Guimarães Moura, detalha que a reserva da mina é estimada em aproximadamente 95 milhões de toneladas de carvão. Além de não haver operação até o momento, Moura reforça que a Carbonífera Criciúma ficou inadimplente com a CRM. "Pagava até agosto, setembro do ano passado, depois não pagou mais", afirma. O executivo acrescenta que a Carbonífera Criciúma não tem interesse em explorar a mina ou em anular o contrato amigavelmente. Assim, a CRM entrou na Justiça para discutir o tema.
Moura argumenta que a empresa não está aceitando a rescisão consensual, pois possui um acordo de vários anos e deseja repassar para outra companhia. O diretor acrescenta que a Carbonífera Criciúma diz que investiu R$ 48 milhões na mina e, para fazer um rompimento sem obstáculos, quer que o Estado, como acionista majoritário da CRM, faça a compensação. "Com certeza, o Estado, e principalmente a CRM, não tem a mínima condição de compensar", frisa.
O executivo comenta que a Carbonífera Criciúma tem que comprovar que aplicou esse montante. O diretor lembra que a empresa encontra-se em processo de recuperação judicial, enfrentando uma série de dificuldades em suas operações. Moura antecipa que, para viabilizar a produção de carvão na mina, o governo gaúcho, depois de retomar o complexo, buscará um parceiro para fazer a exploração. O Jornal do Comércio não conseguiu entrar em contato com a Carbonífera Criciúma.

Estado vai debater térmica de Charqueadas com o MME

O secretário de Minas e Energia, Lucas Redecker, revelou que está pré-agendada, para segunda-feira, em Brasília, uma reunião no Ministério de Minas e Energia (MME) com o ministro Fernando Coelho Filho. A meta é buscar apoio para convencer a Tractebel a manter a operação da usina de Charqueadas, pelo menos, até o final deste ano. A empresa já manifestou a intenção de desativar a térmica a carvão em 31 de agosto.
No encontro, deverão participar políticos e sindicalistas gaúchos. Ainda em Brasília, Redecker também participará do fórum dos secretários de Energia do Brasil, quando o debate será focado na realização de leilões regionais de geração de energia. O cenário envolvendo a térmica de Charqueadas foi discutido ontem na Secretaria de Minas e Energia.
Na ocasião, o deputado estadual João Fischer (PP) admitiu que sabe que parece um caminho sem volta a interrupção da usina. O vice-prefeito de Charqueadas, Edilon Oliveira Lopes, concorda que é uma tarefa árdua garantir a permanência das atividades, porque a Tractebel é uma companhia privada, com liberdade de decisão. "Mas, enquanto tivermos cartuchos, vamos estar nessa luta", enfatiza.
O presidente do Sindicato dos Mineiros do Rio Grande do Sul, Oniro Camilo, reforça que seria essencial contar com o governador José Ivo Sartori para discutir esse assunto com o presidente interino Michel Temer. O deputado Gilmar Sossella (PDT) complementa que um documento relatando a situação e os possíveis reflexos da paralisação da térmica foi entregue ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, no dia 25 de maio.
O vereador de São Jerônimo e presidente da Associação das Câmaras de Vereadores da Região Carbonífera (Acverc), Rodrigo D. Marcolin (PSDB), destaca que a questão impacta um grupo de cidades que representam cerca de 140 mil habitantes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia