Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de junho de 2016. Atualizado às 17h11.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

06/06/2016 - 17h11min. Alterada em 06/06 às 17h11min

Yellen endossa leitura de 'payroll' fraco e juros futuros terminam em queda

Após uma manhã em que oscilaram entre a estabilidade e leve alta, os juros futuros fecharam a sessão em baixa na BM&FBovespa, definida após o discurso da presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Janet Yellen.
As palavras da comandante do banco central norte-americano endossaram a leitura do payroll (dado sobre emprego nos EUA) de maio feita pelo mercado de que é pouco provável uma elevação da taxa de juros nos próximos meses, o que renovou o fôlego de queda dos juros de médio e longo prazos na BM&FBovespa.
A postergação de um aperto monetário nos EUA sugere um reforço no fluxo de investimentos para ativos emergentes, o que explica o alívio de prêmios na curva a termo nesta segunda-feira (6) em que o noticiário político não chegou a atrapalhar.
Ao término da negociação regular, o Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2017 (155.235 contratos) fechou em 13,565%, estável ante o ajuste anterior. O DI janeiro de 2018 (145.195 contratos) encerrou em 12,51%, de 12,54% no último ajuste. O DI janeiro de 2019 (98.255 contratos) terminou na mínima de 12,29%, de 12,36%. Nos longos, o DI janeiro de 2021 (80.082 contratos) caiu de 12,40% para 12,31%.
Yellen admitiu que o payroll da sexta-feira foi "desapontador" e que os sinais de desaceleração na criação de empregos merecem "um olhar atento". A presidente do BC norte-americano disse esperar que a expansão econômica continue nos EUA e que a taxa de juros "provavelmente" terá de subir ao longo do tempo.
Será apropriado elevar taxas de juros "gradualmente" se o mercado de trabalho se fortalecer e a inflação caminhar para a meta do Fed, de 2%, disse. Reiterou que a política monetária não está em uma rota predeterminada e dependerá dos indicadores e de outros sinais acompanhados pelo Fed.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia