Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

Notícia da edição impressa de 02/06/2016. Alterada em 27/12 às 16h45min

Gaúchos madrugam por gasolina a R$ 2,00 o litro

Desempregada há um ano, Roselaine aproveitou o desconto

Desempregada há um ano, Roselaine aproveitou o desconto


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Adriana Lampert
Teve gente que virou a noite de terça para quarta-feira esperando em uma fila para aproveitar a 12ª edição do Dia da Liberdade de Impostos, que ocorreu das 8h às 11h30min de ontem, em quatro municípios gaúchos. Oito postos participaram da campanha de venda de gasolina sem tributos, realizada em Porto Alegre, Caxias do Sul, Gravataí e Pelotas. No total, mais de 1 mil veículos foram abastecidos com o combustível a R$ 2,00 o litro - quase metade do valor cobrado em postos da Capital, onde o litro custa entre de R$ 3,85 e R$ 3,99.
Cada estabelecimento distribuiu 150 senhas, que davam direito à compra de 20 litros de gasolina comum, apenas com pagamento em dinheiro. A iniciativa foi promovida pelo Instituto Liberdade e pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE) em parceria com o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes no Rio Grande do Sul (Sulpetro), Rede SIM e Posto da Cavalhada.
A auxiliar de cozinha Roselaine Dias Carvalho foi uma das pessoas que abriu mão de dormir para aproveitar o desconto. Ela chegou ao Ecoposto da avenida Ipiranga às 23h30min de terça-feira. "Estou desempregada há quase um ano e o dinheiro está curto", justifica a consumidora. Moradora do bairro Santa Teresa, diariamente ela precisa usar o carro, um Fiat Uno, para levar e buscar as quatro filhas na escola. "Com este desconto, foi possível economizar um pouco", comenta Roselaine, que costuma abastecer toda a semana. "Em média, gasto R$ 50,00 para rodar pouco mais que seis dias. Vamos levando como dá."
A entrega das senhas ocorreu das 7h às 7h30min. No Ecoposto da Ipiranga, nem todos conseguiram o privilégio. "A fila se estendeu até o Praia de Belas de
Shopping", comenta Pereira. Segundo ele, o primeiro consumidor chegou às 21h de terça-feira. O taxista André Gonçalves, que ficou sabendo da campanha pelos noticiários, aproveitou o desconto pela primeira vez. "Virei a noite, e hoje ainda vou trabalhar", contou.
Outro que deixou de dormir para aproveitar o preço do combustível sem imposto foi o aposentado pelo Instituto de Previdência do Estado, Carlos Roberto Chagas. Acostumado a usar o carro no máximo três vezes por semana, ele pretende aproveitar os 20 litros viajando para a Serra gaúcha no fim de semana.
Segundo o presidente do IEE, Rodrigo Tellechea, todo ano a iniciativa ocorre para conscientizar a sociedade civil sobre a alta carga tributária que é paga pelos contribuintes brasileiros. "Queremos que as pessoas tenham uma noção mais clara do quanto do seu trabalho é destinado para o governo", afirma o dirigente. "A campanha é um exemplo para que se perceba que vale a pena lutar pela redução dos impostos também em outros mercados." Tellechea destaca que a ideia de evidenciar a diferença de o quanto o mercado precifica e o quanto o governo se apodera do que é cobrado pelos produtos tem como finalidade incentivar que o consumidor conteste de que forma estes recursos são aplicados em serviços públicos. No caso da gasolina, o imposto representa cerca de 40% do valor de venda.
O economista da CDL-POA, Victor Sant'Ana, destaca que, segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) a alíquota total de produtos nacionais no Rio Grande do Sul varia de 11,20% a 38,45%. "O custo dos impostos consome seis meses de trabalho das empresas", afirma por sua vez o gerente de área da Rede Sim para a Região Metropolitana, Ari Pereira. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia