Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de maio de 2016. Atualizado às 00h34.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

supremo tribunal federal

Notícia da edição impressa de 25/05/2016. Alterada em 25/05 às 00h35min

Lula pede a Supremo que reconheça que foi ministro

Advogados não viram impedimento à posse do petista na Casa Civil

Brazilian former president Luiz InÁcio Lula da Silva takes part in the seminar "Democracy and Social Justice", in Sao Paulo, Brazil on April 25 2016. Brazilian President Dilma Rousseff has been battered by a huge corruption scandal at state oil giant Petrobras, even though she has not been charged in the case.Her main ally, former president Inacio Lula da Silva, faces charges related to that probe, which he says are politically motivated. / AFP PHOTO / NELSON ALMEIDA / FILE XGTY


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que este reconheça que o petista foi ministro da Casa Civil do governo Dilma por quase dois meses e as "consequências jurídicas" dessa situação. Se o pedido for acolhido, a defesa pode abrir brecha para questionar atos do juiz Sergio Moro do Paraná, como a divulgação dos grampos em que aparece falando sobre a posse com a presidente afastada Dilma Rousseff (PT).
Lula foi nomeado por Dilma para a Casa Civil no dia 16 de março, no mesmo dia em que Moro derrubou o sigilo de interceptações e autorizou a publicidade dos áudios.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia