Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de maio de 2016. Atualizado às 22h50.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Novo governo

Notícia da edição impressa de 24/05/2016. Alterada em 23/05 às 22h50min

Jucá não falou sobre economia do País ao citar 'sangria'

Ao contrário do que afirmou em entrevistas concedidas ontem após a divulgação de sua conversa com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, o ministro licenciado do Planejamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), não mencionou a situação econômica brasileira quando falou sobre "estancar a sangria" durante o diálogo publicado pela Folha de S.Paulo na segunda-feira.
O jornal divulgou os trechos que foram criticados por Jucá em suas entrevistas. O primeiro diálogo começa quando Machado fala sobre o risco de as delações se tornarem mais frequentes a partir de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que autorizou prisões em segunda instância. Para Machado, isso provocaria um efeito em cascata e o aumento das delações. Na sequência, Machado pediu que fosse montada "uma estrutura" para impedir que seu caso fosse enviado para o juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba. Nesse contexto de impedir que a Lava Jato conseguisse uma confissão de Machado é que Jucá sugeriu "estancar a sangria".
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia