Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de maio de 2016. Atualizado às 12h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Questão Agrária

09/05/2016 - 12h18min. Alterada em 09/05 às 12h42min

MST ocupa fazenda ligada a Temer em São Paulo

Integrantes do MST ocuparam a fazenda Esmeralda, com sede em Duartina-SP, ligada ao vice-presidente Michel Temer

Integrantes do MST ocuparam a fazenda Esmeralda, com sede em Duartina-SP, ligada ao vice-presidente Michel Temer


Divulgação MST/JC
O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou na manhã desta segunda-feira (9) a fazenda Esmeralda, com sede em Duartina (S)P. A fazenda seria ligada ao vice-presidente Michel Temer (PMDB). O MST afirma, em nota, que o objetivo é denunciar as "conspirações golpistas de Temer" e reforçar a necessidade da Reforma Agrária, segundo a assessoria de comunicação do MST.
Não constam registros documentais em nome de Temer, mas é corrente na cidade a noção de quem é o verdadeiro dono da área, a quem se referem com a expressão “o homem está aí!”, sempre que o vice-presidente chega na fazenda para participar de articulações regionais e nacionais do PMDB. A fazenda tem hoje cerca de 1500 hectares, entre os municípios de Duartina, Fernão, Gália e Lucianópolis.
A ocupação é formada por cerca de mil famílias.
Os manifestantes denunciam que a fazenda cultiva eucalipto, que chamam de “deserto verde” pela sua atuação maléfica de aniquilar os nutrientes do solo. A fazenda teria ainda sido denunciada pelo Ministério Público do Trabalho por desrespeito aos direitos trabalhistas.
“Nós estamos ocupando esta fazenda do Temer para denunciar a intervenção do agronegócio na articulação do golpe. A Reforma Agrária, por sua vez, deve ser recolocada na agenda política do país”, informou Kelli Mafort, da Direção Nacional do MST. “Este foi um dos QG do golpe. Estamos aqui para denunciar as ligações escusas de Michel Temer com o proprietário da fazenda e sua empresa de fachada para arregimentar propina”, concluiu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia