Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 07 de maio de 2016. Atualizado às 14h23.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara dos deputados

05/05/2016 - 11h59min. Alterada em 05/05 às 18h43min

Sartori critica Cunha, mas observa que ele 'fazia a Câmara andar, votar, trabalhar'

Sartori também apontou que tudo indica para o afastamento de Dilma Rousseff

Sartori também apontou que tudo indica para o afastamento de Dilma Rousseff


Marcelo G. Ribeiro/JC
O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, opinou, em entrevista exclusiva ao Jornal do Comércio nesta quinta-feira (5), no Palácio Piratini, sobre a decisão do ministro do STF Teori Zavascki que afastou Eduardo Cunha do mandato de deputado federal, e consequentemente, da presidência da Câmara dos Deputados.
Sartori disse que o afastamento já era esperado, e que a decisão ajuda a construir uma nova realidade política, "que todo mundo deseja".  
O governador também avaliou que a medida conduz a uma mudança de comportamento na própria Câmara. "Isso tem que se reconhecer, porque ele presidia a Câmara, fazia votar, fazia andar, trabalhar, mas não impede que a pessoa seja penalizada pelos equívocos cometidos." 
Sobre o impedimento da presidente Dilma Rousseff, Sartori não se posiciona nem contra, nem a favor, "embora a realidade indique que vá acontecer". 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Diane 06/05/2016 20h13min
siim, Cunha fazia a Câmara andar, votar, trabalhar e também roubar, subornar, chantagear em todos os sentidos, inclusive, os institucionais, rsrsrs