Porto Alegre, terça-feira, 03 de maio de 2016. Atualizado às 20h32.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
21°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5680 3,5700 2,26%
Turismo/SP 3,4500 3,7100 2,20%
Paralelo/SP 3,4500 3,7100 2,20%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Governo Federal 03/05/2016 - 20h32min. Alterada em 03/05 às 20h32min

Fiesp entrega propostas a Temer para recuperar economia sem aumentar impostos

Agência Brasil

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, entregou hoje (3) ao vice-presidente Michel Temer um conjunto de propostas, elaboradas a partir de estudos do setor, com medidas para recuperação da economia do país e fortalecimento da produção, sem aumento da carga tributária.
Skaf disse que o eventual governo Michel Temer, caso o Senado aprove a admissibilidade do pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, deverá priorizar a recuperação da produção das empresas e o corte de gastos. Após encontro com o vice-presidente, Skaf disse que o Brasil não aguenta mais elevação de impostos e que qualquer tentativa de recriação da CPMF terá oposição do setor industrial.
"Temos caminhos sim [para recuperar a economia] sem aumento de imposto. São caminhos mais trabalhosos, mas mais saudáveis para o Brasil. Diante desse cenário [de crise], a única coisa que não se pode pensar em fazer é aumentar impostos em um país que já tem impostos muito altos e com um retorno ruim. Isso está sendo visto com muita atenção. Fizemos um estudo e é possível se ajustar o orçamento no sentido de reduzir gastos e não trabalhar na mão do aumento de impostos. A diferença que possa faltar [no orçamento] pode ser suprida com o repatriamento de recursos", sugeriu.
Para Skaf, a aprovação da admissibilidade do impeachment pelo Senado e o afastamento de Dilma trarão um ambiente de maior confiança ao país, que deve impulsionar a legislação que prevê o repatriamento de recursos de brasileiros no exterior, já aprovada pelo Congresso. Pela lei, quem quiser aderir ao programa de repatriação deve aderir até 31 outubro.
"Isso vai dar uma receita extra para o governo que pode chegar a 50 bilhões de reais. Isso supriria uma eventual diferença que possa faltar no ajuste do orçamento", afirmou Skaff. Ele negou que seja entusiasta do eventual "desmonte" do Ministério da Indústria e Comércio Exterior, comentada em meio às especulações sobre a reforma ministerial que deverá ser feita caso Temer assuma o comando do país.
"A proposta que deixei foi do fortalecimento da produção e não o desmonte do ministério da Produção [Ministério da Indústria e Comércio Exterior]. O problema do Brasil é recuperar a produção, o emprego, fortalecer a economia e buscar a retomada do crescimento através da produção, do emprego, do trabalho. Lógico que se o Brasil tem um problema e precisa recuperar sua produção - e esse é o maior problema para voltarmos a crescer - a última coisa que se possa pensar é o enfraquecimento do ministério que representa, que estimula a produção", argumentou.
Para Skaf, o "melhor ajuste" a ser feito é a retomada do crescimento econômico e, para isso, é necessário que as indústrias voltem a produzir.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Temer espera nome do PP ou 'notável' apadrinhado para Ministério da Agricultura
O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), aguarda a indicação de um nome do PP para o Ministério da Agricultura
Governo vai reformular Sine para fazer repasses diretos a Estados e municípios
Atualmente, o repasse se dá por meio de convênios, que precisam ser renovados periodicamente
STF suspende liberação de crédito extraordinário para publicidade do governo
A liminar de Gilmar Mendes atende a uma ação direta de inconstitucionalidade apresentada pelo Solidariedade
Alckmin diz que PSDB não vai proibir ninguém de assumir cargo no governo Temer
Depois de reunião com Aécio Neves no Palácio dos Bandeirantes, Serra disse que o partido não vai proibir ninguém de aceitar algum cargo no governo Temer

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo