Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h14.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 01/06/2016. Alterada em 27/12 às 16h16min

Escravidão atinge 45,8 milhões de pessoas no mundo, diz ONG

Cerca de 45,8 milhões de pessoas em todo o mundo estão sujeitas a alguma forma de escravidão moderna. A estimativa é do relatório Índice de Escravidão Global 2016, da Fundação Walk Free, divulgado ontem. Segundo o documento, 58% vivem em cinco países: Índia, China, Paquistão, Bangladesh e Uzbequistão. Já as nações com maior proporção de população em condições de escravidão são Coreia do Norte, Uzbequistão, Camboja e Índia. No último relatório, de 2014, cerca de 35,8 milhões de pessoas viviam nessa situação.
A escravidão moderna ocorre quando uma pessoa controla a outra, de tal forma que retire dela sua liberdade individual, com a intenção de explorá-la. Entre as formas de escravidão estão o tráfico de pessoas, o trabalho infantil, a exploração sexual, o recrutamento de pessoas para conflitos armados e o trabalho forçado em condições degradantes, com extensas jornadas, sob coerção, violência, ameaça ou dívida fraudulenta.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia