Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de maio de 2016. Atualizado às 19h13.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

filipinas

09/05/2016 - 19h13min. Alterada em 09/05 às 19h13min

Prefeito Rodrigo Duterte caminha para se tornar presidente das Filipinas

Duterte recebeu 14,4 milhões de votos

Duterte recebeu 14,4 milhões de votos


NOEL CELIS/AFP/JC
O impetuoso e falante prefeito da cidade de Davao, Rodrigo Duterte, caminha para se tornar o novo presidente das Filipinas após as eleições desta segunda-feira. Com 87% dos votos apurados Duterte recebeu 14,4 milhões de votos, seguido pelo ex-ministro do Interior Mar Roxas, que teve 8,6 milhões de votos. Os resultados finais deverão ser anunciados na terça-feira.
Caso a vitória do prefeito seja confirmada, essa será uma grande mudança política nas Filipinas. Depois de começar a campanha com poucas chances, Duterte ganhou popularidade com promessas radicais para eliminar a pobreza e acabar com a corrupção e a violência. Durante a campanha, ele prometeu matar suspeitos de crimes e dar fim à violência em seis meses.
"Já podemos chamar de vitória, porque a diferença é muito grande com relação ao máximo que o segundo colocado pode ter" dos votos restantes, afirmou William Yu, do Conselho Pastoral para Votação Responsável. O grupo foi escolhido pela Comissão de Eleições para fazer a contagem não oficial dos votos.
O atual presidente, Benigno Aquino III, tentou desencorajar os filipinos de votarem em Duterte por receio de que o prefeito possa colocar em risco a dura luta do país por democracia e apagar ganhos econômicos feitos nos últimos seis anos, quando a economia local cresceu em média 6,2%, umas das melhores taxas na Ásia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia