Porto Alegre, segunda-feira, 02 de maio de 2016. Atualizado às 22h43.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
21°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4890 3,4910 1,48%
Turismo/SP 3,4000 3,6300 2,25%
Paralelo/SP 3,4000 3,6300 2,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Relações Diplomáticas Notícia da edição impressa de 03/05/2016. Alterada em 02/05 às 21h23min

Cruzeiro dos EUA chega a Cuba

ADALBERTO ROQUE/AFP/JC
Além de Havana, embarcação deverá visitar Cienfuegos e Santiago de Cuba

O primeiro cruzeiro a realizar a rota entre Estados Unidos e Cuba em mais de meio século chegou ontem a Havana, após zarpar na tarde de domingo de Miami. Além da capital cubana, a embarcação deverá visitar as cidades de Cienfuegos e Santiago de Cuba. Mais de 700 passageiros estão a bordo do navio da empresa Carnival, a primeira a conseguir a licença para operar a rota, que será feita duas vezes por mês. A viagem tornou-se possível após o regime de Raúl Castro permitir que cidadãos cubanos saiam e entrem no país por meio de embarcações comerciais.
Ao jornal Sun Sentinel, o passageiro cubano-americano Rick Schneider, de 73 anos, disse que esperou por 60 anos a oportunidade de fazer o trajeto, que estava suspenso desde 1959, quando ocorreu a Revolução Cubana. "Sempre quisemos ir para Cuba, e antes de o McDonald's chegar por lá", disse antes de embarcar Joe Dillard, aposentado, que fez a viagem com sua mulher, Doral. O casal expressou uma preocupação recorrente entre outros turistas norte-americanos, a de que a ilha poderá, em breve, perder sua "autenticidade", conforme as relações com os EUA melhorarem.
Alguns dos passageiros, segundo o Sun Sentinel, também levavam "presentes" para dar aos cubanos que conhecerem na ilha, como sabonetes, xampus, canetas e brinquedos para crianças.
Cuba aceitou liberar as viagens marítimas como parte do processo de normalização das relações com os EUA iniciado em dezembro de 2014 e que alcançou seu ápice com a histórica visita do presidente Barack Obama a Havana, em março. Segundo o governo da ilha, a proibição havia sido instituída contra exilados cubanos que faziam ataques à ilha pelo mar logo após a revolução.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
No Japão, Kerry não pedirá desculpas por bomba atômica
Em Buenos Aires, Obama enfatiza que derrotar o EI é sua prioridade
Castro considera aproximação com os EUA positiva, mas insuficiente Irã comemora fim das sanções pelos EUA e UE

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo