Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de maio de 2016. Atualizado às 16h49.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ponte do Guaíba

Notícia da edição impressa de 31/05/2016. Alterada em 31/05 às 09h35min

Não há previsão para volta do ritmo 'normal' de obras

Dnit nega que os trabalhos tenham sido totalmente paralisados

Dnit nega que trabalhos tenham sido totalmente paralisados


JONATHAN HECKLER/JC
Suzy Scarton
As obras da nova ponte do Guaíba, que começaram em outubro de 2014, estão praticamente paradas. Essa é a posição do presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Rio Grande do Sul (Siticepot), Isabelino Garcia dos Santos, que afirma que 90% dos trabalhadores do local foram demitidos. No começo dos trabalhos, 650 funcionários participavam da construção.
No início de maio, Santos estimava que as obras fossem parar até o fim do mês. Hoje, no último dia de maio, o presidente estima que somente 10% dos funcionários, da área de manutenção, ainda possuam vínculo com a empresa. As demissões começaram no final de abril, uma vez que os repasses para a construção não constavam no orçamento federal.
"Conversamos com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), e eles não deram nenhum sinal sobre a retomada das obras", relata Santos. A possibilidade de a concessionária Triunfo Concepa assumir as obras, com verba arrecadada pelo pedágio, foi discutida. No entanto, "é apenas uma questão de conversa", afirma Santos, negando que algo nesse sentido tenha sido definido. Por enquanto, o sindicato vem procurando bancadas políticas para tentar resolver a situação.
Por meio de nota, o Dnit informou que, até o momento, não houve paralisação total, mas tampouco estabeleceu previsão para a retomada do ritmo normal das operações. "O Trabalho Técnico Social junto às comunidades será mantido, assim como os trabalhos para a liberação/aprovação dos projetos de infraestrutura junto à prefeitura de Porto Alegre, portanto, possivelmente, esse processo não será afetado temporariamente", garantiu.
O contrato da construção da segunda ponte sobre o Guaíba foi assinado em 31 de março de 2014, pela presidente afastada Dilma Rousseff. Na época, o início das obras estava datado para junho, com previsão de término em maio de 2017. Como os trabalhos foram iniciados somente em outubro, a previsão atual de conclusão é outubro do ano que vem.
O consórcio responsável pela intervenção é o Ponte do Guaíba, formado pela Queiroz Galvão (97%) e pela EGT Engenharia (3%). O investimento será de R$ 646,6 milhões. A estrutura terá extensão de 7,3 quilômetros e largura de 28 metros, e deverá receber até 50 mil veículos por dia. A ponte fará a ligação entre a Capital e o Sul do Estado, passando pela Ilha do Pavão e pela Ilha Grande dos Marinheiros, conectando rodovias nacionais.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Pablo Valadão 31/05/2016 16h25min
Espero que essa obra não se torne mais um "elefante branco" no Brasil!
Luis Fernando G. Dias 31/05/2016 08h10min
É uma vergonha que o governo goste de começar obras e aprecia mais ainda demorar para terminá-las.