Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 08 de maio de 2016. Atualizado às 15h47.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

rio-2016

08/05/2016 - 15h47min. Alterada em 08/05 às 15h47min

Ministro da Defesa afirma que Forças Armadas estão preparadas para a Olimpíada

O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, afirmou neste domingo que as Forças Armadas brasileiras estão preparadas para garantir a segurança dos Jogos Olímpicos do Rio, em agosto, apesar dos cortes no orçamento. Rebelo participou da cerimônia de entrega da Medalha da Vitória, no Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo, na cidade do Rio de Janeiro.
"Tivemos corte em torno de 25% do orçamento inicial, mas mesmo assim liquidamos os restos a pagar, mantemos nossas contas em dia e vamos procurar preservar o que for essencial para reequipamento e manutenção da atualidade das Forças Armadas", afirmou o ministro. Aldo Rebelo minimizou uma possível ameaça de terrorismo. "Nós já fizemos vários eventos internacionais e em todos eles essa preocupação esteve presente, com as medidas que precisavam ser adotadas", disse.
Na cerimônia, 289 civis e militares, além de 61 ex-combatentes da Força Expedicionária Brasileira (FEB), foram condecorados com a medalha, instituída em 2014 pelo Ministério da Defesa. A condecoração é entregue sempre no Dia da Vitória, que relembra o 8 de maio de 1945, quando as tropas do nazi-fascismo se renderam ao Alto Comando das Forças Aliadas e da antiga União Soviética.
Para Aldo Rebelo, a homenagem serve para lembrar as pessoas que lutaram em defesa de liberdade, democracia e da humanidade, mas também para chamar a atenção à importância das Forças Armadas. "O outro sentido (da cerimônia) é advertir para atualidade da defesa da soberania das nações e da liberdade dos povos. As tensões que levaram o mundo àquele conflito infelizmente não desapareceram. Isso significa que se o Brasil quiser preservar a sua independência, suas riquezas, proteger a soberania e a liberdade de seu povo, precisa ter instituições de defesa em plenas condições de atuar", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia