Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

Notícia da edição impressa de 01/06/2016. Alterada em 27/12 às 16h06min

PF indicia o presidente do Bradesco na Zelotes

 Luiz Trabuco   ***ATENÃ?Ã?O FOTO DE ARQUIVO***OSASCO, SP, 06.08.2015: Legenda: ***ATENÇÃO FOTO DE ARQUIVO***OSASCO, SP, 06.08.2015: OPERAÇÃO-ZELOTES - O Ministério Público Federal no Distrito Federal recebeu nesta terça-feira (31) relatório da Polícia Federal que indicia o presidente do Bradesco, Luiz Trabuco, e outras nove pessoas no âmbito da Operação Zelotes, que investiga a venda de sentenças do Carf (conselho administrativo de recursos fiscais). Na foto, Luiz Trabuco em uma entrevista em Osasco, na Grande São Paulo, em 06.08.2015. (Foto: Karime Xavier/Folhapress)

Luiz Trabuco ***ATENÃ?Ã?O FOTO DE ARQUIVO***OSASCO, SP, 06.08.2015: Legenda: ***ATENÇÃO FOTO DE ARQUIVO***OSASCO, SP, 06.08.2015: OPERAÇÃO-ZELOTES - O Ministério Público Federal no Distrito Federal recebeu nesta terça-feira (31) relatório da Polícia Federal que indicia o presidente do Bradesco, Luiz Trabuco, e outras nove pessoas no âmbito da Operação Zelotes, que investiga a venda de sentenças do Carf (conselho administrativo de recursos fiscais). Na foto, Luiz Trabuco em uma entrevista em Osasco, na Grande São Paulo, em 06.08.2015. (Foto: Karime Xavier/Folhapress)


KARIME XAVIER/FOLHAPRESS/JC
A Polícia Federal (PF) indiciou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, e outras nove pessoas em um inquérito da Operação Zelotes, que apura se grandes contribuintes pagaram propina para reverter pagamentos de multas na Receita Federal.
O Ministério Público do Distrito Federal ainda avalia o relatório da polícia e deve solicitar novas diligências antes de decidir se apresenta ou não denúncia à Justiça. Suspeita-se que quadrilhas atuavam no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão ligado ao Ministério da Fazenda, prometendo reverter ou anular passivos tributários.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia