Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h04.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 01/06/2016. Alterada em 27/12 às 16h05min

Estados e municípios reduzem superávits

Estados, municípios e empresas estatais contribuíram para piorar ainda mais as contas públicas neste ano. Em abril, por exemplo, o setor público registrou superávit de R$ 10,2 bilhões, queda de 24% em relação ao mesmo período do ano passado. Na esfera federal, a queda foi de 18%. Na estadual, de 23%. Municípios e empresas estatais, que tiveram superávit em abril do ano passado, registraram déficit neste ano.
Abril é historicamente um mês de superávit nas contas do setor público, por causa do calendário de pagamento do Imposto de Renda das pessoas físicas e jurídicas. O resultado positivo do mês, no entanto, não foi suficiente para reverter a tendência de piora verificada no acumulado de 2016. Nos quatro primeiros meses do ano, o setor público ainda registra superávit, mas o resultado está 86% abaixo do verificado no mesmo período de 2015. A piora se deu em todas as esferas, com destaque para o aumento de 353% no déficit das empresas estatais e de 77% no resultado negativo do INSS. O resultado em 12 meses, que é deficitário desde o final de 2014, chegou a um rombo de R$ 139,3 bilhões (2,33% do PIB). O déficit total previsto na lei orçamentária é de R$ 163,94 bilhões para o setor público. No acumulado em 12 meses, apenas os estados ainda registram superávit, de R$ 5 bilhões.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia