Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de maio de 2016. Atualizado às 18h15.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

30/05/2016 - 18h15min. Alterada em 30/05 às 18h15min

Pesquisa revela que tecnologia é foco de investimento para diretores financeiros

O maior foco de investimentos das empresas nos próximos 12 meses deve ser em Tecnologia de Informação. Isso é o que mostra uma pesquisa feita com diretores financeiros, realizada pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef) e pela Saint Paul Escola de Negócios. Segundo o levantamento, para 23 9% dos CFOs entrevistados os aportes devem ter a tecnologia como prioridade.
Em segundo lugar, segundo a pesquisa, vem os investimentos em ampliação da capacidade instalada, com 15,9%, seguido de novas linhas ou unidades de negócios (13,9%) e Pesquisa e Desenvolvimento (9,8%).
No que diz respeito às expectativas com a economia brasileira, os executivos são pessimistas. Segundo a pesquisa, 46% das empresas têm expectativa de redução nos quadros de funcionários, e 51% esperam redução do quadro de terceiros. Além disso, 56,9% esperam aumento do custo de endividamento para os próximos 12 meses. A expectativa média para o Produto Interno Bruto (PIB) é de queda de 3%, com inflação de 8,9%. Os executivos esperam que o dólar chegue a R$ 4,40, e a Selic a 13,7%.
A pesquisa mostra que os diretores financeiros estão preocupados com o ambiente político e eventuais intervenções governamentais em diferentes setores da economia, e também com a demanda do mercado doméstico.
Foram entrevistados 99 diretores financeiros de mais de 20 segmentos da economia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia