Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de maio de 2016. Atualizado às 19h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

23/05/2016 - 19h53min. Alterada em 23/05 às 19h54min

Dólar pouco reage em Nova Iorque a falas de dirigentes do Fed sobre alta de juros

O dólar teve reação tímida a comentários de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) que reforçaram a expectativa de elevação de juros em breve no país, possivelmente em junho. Taxas mais altas tendem a impulsionar a moeda americana, já que os investimentos em dólar ficam mais atraentes.
A moeda americana chegou ao fim desta tarde de segunda-feira (23), cotada a 109,24 ienes, de 110,14 ienes na sexta-feira, e o euro subiu a US$ 1,1221, de US$ 1,1216.
Dois presidentes regionais do Fed, James Bullard (St. Louis) e John Williams (San Francisco), fortaleceram hoje as impressões de que o processo de normalização monetária nos EUA deverá ser retomado em breve. Bullard, que vota nas reuniões de política monetária neste ano, disse que há mais fatores para justificar uma elevação gradual dos juros do que para adiar um novo aumento. Já Williams destacou progressos no objetivo de se levar a inflação para perto da meta anual de 2% e acrescentou ser provável "duas ou três" altas de juros neste ano.
Os comentários se somaram aos feitos no fim de semana por Eric Rosengren, presidente do Fed de Boston, ao jornal Financial Times. Segundo ele, as condições econômicas dos EUA estão perto de justificar uma alta de juros na próxima reunião do banco central, em junho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia