Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de maio de 2016. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Notícia da edição impressa de 17/05/2016. Alterada em 16/05 às 22h41min

Custos de produção têm deflação no ano

No acumulado de 2016, fertilizantes registram um recuo de 13%

No acumulado de 2016, fertilizantes registram um recuo de 13%


MARCELO G. RIBEIRO/JC
A sazonalidade dos preços dos fertilizantes e a taxa de câmbio resultaram na terceira queda consecutiva do Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP). O indicador fechou o mês de abril em -1,02%. O acumulado do ano está em -0,75%. Já o Índice de Inflação dos Preços Recebidos apresenta uma alta de 3,99% puxada por milho e soja, que aumentaram 17% e 4% respectivamente. As informações estão no relatório dos Índices de Inflação dos Custos de Produção e da Receita dos Produtores do Rio Grande do Sul, referente ao mês de abril, produzidos pela Assessoria Econômica do Sistema Farsul.
Em 2016, os fertilizantes apresentam uma queda superior a 13%. Essa redução é sazonal e tem, historicamente, no mês de maio sua maior baixa que foi acentuada com a apreciação do real dos últimos meses. Em seu relatório de final de ano, a Farsul já havia indicado que este é o melhor período para a compra de fertilizantes. Porém, a retração nos preços não ocorre em todos os insumos, os químicos mantêm alta.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia