Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de maio de 2016. Atualizado às 18h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

11/05/2016 - 18h25min. Alterada em 11/05 às 18h25min

Em dia decisivo na política, dólar fecha em baixa de 0,61%, a R$ 3,4474

No dia em que o Senado Federal decide sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff, o dólar fechou em baixa de 0,61%, cotado a R$ 3,4474 no mercado à vista. A expectativa pelo afastamento da presidente, que deve ser confirmado entre a noite de hoje e a manhã de quinta-feira, fez investidores continuarem a vender a divisa americana.
A queda do dólar aconteceu apesar de o Banco Central ter feito durante o dia três leilões de swap cambial reverso, retirando dólares do sistema. Nessas operações, o BC vendeu 47.970 contratos, que corresponderam a US$ 2,4 bilhões. Na abertura, o dólar chegou a subir ante o real, atingindo a máxima de R$ 3,4804 (+0,34%) às 9h02, com a expectativa do primeiro leilão.
A moeda americana acabou migrando para o negativo no decorrer da manhã, com os players se apegando ao impeachment. No exterior, o dólar também cedia ante várias divisas, o que favorecia o movimento no Brasil. Foi quando o BC convocou outro leilão de swap reverso, que manteve a cotação em alta por um curto período. O terceiro leilão foi feito no período da tarde, sem conseguir conter a queda com que o dólar operava.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia