Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de maio de 2016. Atualizado às 19h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

10/05/2016 - 19h17min. Alterada em 10/05 às 19h16min

Dívida da Eletrobras com fundo setorial atingiria R$ 7 bilhões, diz defesa da empresa

A dívida que a Eletrobras terá que pagar para o fundo setorial Reserva Global de Reversão (RGR) deve atingir R$ 7 bilhões. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinou que a Eletrobras devolva cerca de R$ 2 bilhões, em valores históricos, para o fundo setorial em até 90 dias.
A Aneel determinou que a dívida seja corrigida com base na atualização monetária da taxa do Fundo Extramercado Exclusivo 5 (FIF 5) do Banco do Brasil. Segundo o advogado Yuri Schmitke, sócio do escritório Girardi e Advogados Associados, que defendeu a empresa no processo, esse valor deve atingir R$ 7 bilhões.
Schmitke sustentou que a fiscalização da gestão da Eletrobras na RGR caberia ao Ministério de Minas e Energia (MME). Segundo a defesa, o processo estaria prescrito e a própria Aneel teria aprovado a gestão da estatal frente à RGR no passado.
A Eletrobras ainda não se pronunciou sobre o assunto, nem informou que medida vai adotar. Não cabe recurso da decisão na Aneel. A defesa não informou se a empresa vai recorrer à Justiça.
A diretoria da Aneel negou hoje recurso da companhia no processo, que teria usado recursos do fundo para bancar dívidas de suas próprias empresas entre 1998 e 2011.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia