Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de maio de 2016. Atualizado às 08h18.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

10/05/2016 - 08h18min.

Petróleo opera em alta, com problemas na oferta no radar dos investidores

Os contratos futuros de petróleo operam em alta na manhã desta terça-feira (10), com problemas na produção da commodity no Canadá e na Nigéria ajudando a aliviar o quadro de excesso de oferta.

Às 7h56min (de Brasília), o petróleo WTI para junho subia 0,39%, a US$ 43,61 o barril, na New Iorque Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para julho avançava 1,15%, a US$ 44,13 o barril, na plataforma ICE, em Londres.

Incêndios na província rica em petróleo de Alberta, no Canadá, levaram a uma queda na produção de 1,6 milhão de barris por dia, segundo a consultoria Energy Aspects. Várias empresas, entre elas Suncor, BP e Phillips 66, declararam que reduziram a produção por causa do problema.

Autoridades disseram que as temperaturas mais frescas ajudaram a que a disseminação do fogo diminuísse desde o domingo, mas a situação pode levar semanas para ser totalmente controlada, diante da escala do fogo, segundo a consultoria. Isso se soma a outros problemas na produção da commodity pelo mundo.

"Os incêndios em Alberta, as crescentes tensões e mais problemas nas exportações de petróleo na Líbia e uma nova interrupção na produção na Nigéria, em meio à crescente violência, certamente deram alguma pressão de alta para os preços", disse Michael Wittner, analista de petróleo do Société Générale.

Os problemas na produção ajudam a reduzir o quadro global de excesso de oferta, que prejudicou os preços desde junho de 2014. Analistas dizem, porém, que os problemas são temporários e que a maioria desses barris deve voltar ao mercado em breve. "A realidade atual é que o mercado global de petróleo permanece com excesso de oferta neste trimestre e os estoques de petróleo e derivados estão mais que amplos", afirmou Wittner.

A expectativa para muitos no mercado é que a demanda mais forte possa equilibrar o quadro. Nesta terça-feira, o executivo-chefe da Saudi Aramco, gigante estatal petrolífera, afirmou esperar demanda global de petróleo em alta de 1,2 milhão de barris por dia neste ano. "Nós estamos vendo um aumento global na demanda", afirmou Amin Nassar, executivo-chefe da companhia saudita. "Nós vemos o atual status do mercado que, ainda que desafiador, é uma excelente oportunidade para crescimento."

Mais tarde, dados dos Estados Unidos podem dar sinais sobre o quadro no mercado. A API, uma associação de refinarias, divulga às 17h30min (de Brasília) seu relatório semanal de estoques de petróleo na última semana do país. Na quarta-feira, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) revela o dado oficial de estoques na semana dos EUA.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia