Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de maio de 2016. Atualizado às 18h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

negócios corporativos

06/05/2016 - 18h28min. Alterada em 06/05 às 18h28min

Donos de títulos da Gol rejeitam proposta de renegociação de dívida

A dívida total da Gol é R$ 17 bilhões

A dívida total da Gol é R$ 17 bilhões


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Agência O Globo
Dois dias após a Gol anunciar um programa de reestruturação de sua dívida, parte dos donos dos títulos (bonds ou notas) emitidos pela companhia aérea no exterior recusou a proposta feita pela empresa, que incluia a troca dos títulos antigos, no valor de US$ 780 milhões, por novos títulos e com redução de até 70% de seu valor de face. Segundo o grupo, a oferta é "desprovida de informações financeiras e operacionais suficientes sobre a Gol, inclusive no que diz respeito a negociações com outros interessados importantes". A dívida total da Gol é R$ 17 bilhões.
O grupo dono dos títulos é composto por diversas instituições financeiras com investimentos na América Latina e detém aproximadamente 25% do saldo de todos os bonds da Gol que somam cerca de US$ 325 milhões. "O grupo de detentores de notas rejeita a proposta de oferta de substituição das notas apresentada por GOL em 3 de maio e urge aos demais detentores de notas que também rejeitem a Proposta de Oferta de Substituição", disse a White & Case, que presta assessoria aos investidores, em comunicado ao mercado no fim da noite de quinta-feira.
Do outro lado, a Gol informou hoje à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que pode alterar o valor da proposta. No comunicado, a Gol, em nota assinada pelo seu vice-presidente Financeiro, Edmar Lopes, diz acreditar " firmemente que esta é uma oferta boa e justa, e a melhor que a Gol pode prover". " Esperamos que os detentores de bônus compreendam que é do interesse deles trocar esses papéis. Os parâmetros foram firmados pela Companhia, e nós podemos alterá-los se as circunstâncias exigirem", destacou Lopes.
"Os investidores não querem essa proposta. Agora, a guerra começa para valer. Eles querem obrigar a Gol a sentar na mesa e melhorar a proposta. A recusa já era esperada pelo mercado", disse uma fonte que não quis se identificar.
Segundo a White & Case, o grupo dos donos dos títulos foi formado para trabalhar em conjunto com a Gol para "compreender e tratar das questões enfrentadas pela Gol diante dos atuais desafios econômicos do Brasil". O grupo ainda se ofereceu, diz o comunicado, para auxiliar a Gol em explorar alternativas para fortalecer a posição da companhia como uma das principiais companhias aéreas do Brasil. Porém, a companhia "rejeitou repetidas solicitações do grupo para iniciar discussões". Em nota, esse grupo diz lamentar a apresentação da proposta feita pela Gol "sem o apoio ou contribuição de nenhum representante de detentores de notas".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia