Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de maio de 2016. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

05/05/2016 - 18h38min. Alterada em 05/05 às 18h38min

Dólar alterna sinais e fecha em baixa de 0,11%

O mercado de câmbio foi bastante influenciado pelo exterior nesta quinta-feira (5). O dólar alternou altas e baixas e terminou o dia cotado a R$ 3,5405 no mercado à vista, em baixa de 0,11%.
O mercado iniciou o dia com a notícia de que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki tinha afastado o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, do mandato de deputado federal. Em um primeiro momento, o fato foi considerado positivo para o vice-presidente Michel Temer. Isso porque, como a imagem de Cunha está desgastada, seu afastamento daria mais credibilidade à chegada de Temer ao poder. Por outro lado, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, confirmou a intenção de, baseado na decisão de Teori, pedir a anulação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff - conduzido por Cunha.
Com isso, o dólar acompanhou essencialmente o mercado internacional, onde a divisa operou em baixa frente a várias moedas. Nos momentos em que o petróleo registrou ganhos firmes, a moeda americana se reaproximou dos R$ 3,50 e, quando a commodity reduziu o ímpeto, a cotação se afastou deste patamar.
Em alguns momentos, importadores aproveitaram os preços mais baixos para comprar moeda, o que deu algum suporte às cotações. No fim da manhã, o dólar chegou a virar para o positivo, na esteira da perda de fôlego do petróleo no exterior.
O Banco Central não promoveu leilões de swap cambial reverso, que geram pressão de alta sobre as cotações. No mercado futuro, o dólar para liquidação em junho fechou em baixa de 0,24%, cotado a R$ 3,566.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia