Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de maio de 2016. Atualizado às 09h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

05/05/2016 - 09h35min.

Bolsas europeias se recuperam com petróleo, mas ganhos são limitados com China

Após dias de cautela, as bolsas europeias tentam se recuperar nesta quinta-feira (5) impulsionadas pela alta de quase 3% do petróleo que ajudou a reavivar o apetite dos investidores por risco. No entanto, mais um dado ruim da China limita os ganhos. Além disso, o feriado público do Dia da Ascensão na Alemanha e na França deve manter os volumes de negociação baixos durante todo o pregão.

Desde ontem, os preços do petróleo deram um salto de quase 3% devido a um enorme incêndio florestal no norte do Canadá que tem interrompido a produção da matéria-prima nas areias betuminosas da região de Alberta, enquanto a escalada de violência na Líbia ameaça a produção do país africano.

Com isso, as ações de empresas ligadas ao setor de petróleo e gás se destacam em alta. Os papéis da maior petrolífera da Espanha Repsol, por exemplo, sobem quase 5%, impulsionados também pela queda de 38% no lucro ajustado do primeiro trimestre, uma baixa menor do que os analistas estavam esperando.

Às 9h07 (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,09%, Paris caía 0,01% e Frankfurt ganhava 0,14%. Já a Bolsa de Milão avançava 0,83%, Madri tinha acréscimo de 1,03% e Lisboa expandia 1,02%.

Os ganhos limitados mais uma vez refletem os dados fracos na China. Foi divulgado ontem à noite que o índice dos gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços do país recuou para 51,8 em abril, de 52,2 em março, segundo dados da Caixin Media. Leituras acima de 50,0 indicam expansão da atividade, mas os dados mostram que o setor de serviços cresceu em um ritmo mais lento em abril, adicionando incertezas sobre o caminho da segunda maior economia do mundo.

Na Europa, o mesmo dado também frustrou. O PMI do setor de serviços do Reino Unido caiu para 52,3 em abril, de 53,7 em março, atingindo o menor nível desde fevereiro de 2013, segundo dados publicados hoje pela Markit Economics em parceria com a CIPS. O resultado de abril veio bem abaixo da expectativa de analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que previam declínio marginal do indicador, a 53,6.

Outro setor que merece destaque é o financeiro, depois de amargar perdas recentes. Os bancos italianos se reuniram nesta quinta-feira em meio a esperança de uma reforma do setor bancário conturbado do país. Os bancos italianos têm estado sob pressão devido à grande carteira de empréstimos ruins. Além disso, o governo italiano tem tomado medidas para ajudar o setor. No horário acima, as ações da Banca Monte Paschi di Siena - um dos credores italianos mais problemáticos - subiam 5,18%, à frente de seu balanço que será divulgado hoje mais tarde.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia