Porto Alegre, terça-feira, 03 de maio de 2016. Atualizado às 21h21.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
21°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5680 3,5700 2,26%
Turismo/SP 3,4500 3,7100 2,20%
Paralelo/SP 3,4500 3,7100 2,20%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Conjuntura 03/05/2016 - 21h21min. Alterada em 03/05 às 21h21min

Estados Unidos não veem solução rápida para crise no Brasil

Uma das principais integrantes da equipe econômica do presidente Barack Obama, a secretária de Comércio dos EUA, Penny Pritzker, disse nesta terça-feira (3) que a crise do Brasil é "muito, muito desafiadora" e não será resolvida rapidamente. Diante das turbulências da maior economia da América do Sul, ela acredita que a Argentina poderá ocupar o papel de líder da região.
"Nós estamos vendo as implicações que a corrupção pode ter sobre um país e tão rapidamente. É desestabilizador", disse Pritzker durante a Conferência sobre as Américas, realizada anualmente no Departamento de Estado, em Washington. "Nossa esperança é que eles possam atravessar isso e lidar com o escândalo, mas parece que vai levar tempo. Não parece que vão virar a página logo."
O pessimismo em relação ao Brasil contrastou com os elogios feitos por Pritzker à Argentina e à administração do presidente Mauricio Macri. "O seu compromisso para transformar a economia é extraordinário", afirmou a secretária, que mencionou o corte de gastos públicos, a unificação do câmbio, a redução dos subsídios à eletricidade e a diminuição das tarifas sobre exportação.
Segundo ela, a decisão de Obama de visitar o país nos primeiros cem dias do novo governo teve um grande peso simbólico. Pritzker também ressaltou o acordo obtido pela gestão Macri com os detentores de bônus que não participaram da reestruturação da dívida do país. Com isso, a Argentina conseguiu voltar ao mercado internacional e captar US$ 16,5 bilhões em abril.
A secretária diferenciou os países da América Latina entre os que abraçaram a abertura e integração comercial, como os da Aliança do Pacífico, e os integrantes do Mercosul, que optaram por políticas protecionistas. "O crescimento está nos países que abraçaram uma visão voltada ao comércio e à globalização", observou. "O isolamento não funciona. Não funcionou ao longo da história e não vai funcionar em um mundo em que todos estão conectados."
Segundo ela, o engajamento comercial dos EUA na região se dá com as nações que optaram pela abertura, porque não há "muitas oportunidades" nos países com políticas protecionistas. Apesar de a Argentina fazer parte do Mercosul, ficou claro que Pritzker aposta em mudanças na orientação do país em relação ao comércio exterior.
A expectativa da secretária é que o Congresso dos EUA aprove ainda este ano o Tratado da Parceria Transpacífico, o mega-acordo comercial entre 12 países da costa do Pacífico. Conhecido pela sigla TPP, o pacto é criticado pelos dois líderes da corrida presidencial americana, o republicano Donald Trump e a democrata Hillary Clinton.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Inflação de Porto Alegre sobe de 0,85% para 1,05% na 4ª quadrissemana de abril
No geral, o IPC-S avançou de 0,38% para 0,49% entre os dois períodos
Meirelles diz que primeiro objetivo deve ser a retomada da confiança
Segundo Meirelles, um "aspecto chave" para conseguir retomar a confiança é colocar a dívida pública em trajetória de queda
'Vemos o Brasil no longo prazo', diz chefe da City de Londres
Jeffrey Mountevans, afirmou que os investidores britânicos estão confiantes de que a crise econômica no Brasil será resolvida
Empresas do Brasil enfrentam crescente desafio com liquidez, diz Moody's
Entre as empresas brasileiras, 33% tinham risco de financiamento em 2015, ante 28% de 2014, segundo relatório da Moody's

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo