Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de maio de 2016. Atualizado às 09h18.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

TJRS

Notícia da edição impressa de 31/05/2016. Alterada em 31/05 às 09h19min

Acessibilidade: Por um Judiciário sem barreiras

Zaffari diz que a OAB/RS está trabalhando na promoção de acessibilidade

Eduardo Zaffari, presidente da CDAP, enfatiza que a OAB/RS está trabalhando na promoção de acessibilidade no Poder Judiciário


LUCAS PFEUFFER/OABRS/DIVULGAÇÃO/JC
Catharina Signorini, especial
No dia 16 de maio, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJ-RS) decidiu impor uma punição disciplinar ao juiz Carlos Eduardo Lima Pinto, por se negar a realizar audiências no andar térreo do fórum de São Francisco de Paula, impossibilitando, assim, a participação do advogado criminalista Dilto Marques Nunes, que é cadeirante. Apenas a entrada do prédio está adaptada para cadeirantes, não havendo uma estrutura interna adequada para o trânsito de cadeira de rodas.
Nunes conta que o conflito com o magistrado começou em fevereiro de 2011, quando solicitou que a audiência fosse realizada no térreo. O juiz negou o pedido e nomeou outro advogado para defender o cliente. Posteriormente, ocorreram outras audiências na comarca e o juiz também se recusou a descer para realizar o ato.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia