Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 15 de maio de 2016. Atualizado às 18h34.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

gestão

Notícia da edição impressa de 16/05/2016. Alterada em 13/05 às 19h45min

Ombudsman intermediará investimentos estrangeiros

Figura será uma espécie de 'janela única' para busca de informações

Figura será uma espécie de ENTITY_apos_ENTITYjanela únicaENTITY_apos_ENTITY para busca de informações


GOTCREDIT VIA VISUALHUNT /DIVULGAÇÃO/JC
O Brasil se prepara para criar uma instituição que pode acelerar o ritmo de investimentos estrangeiros no País. Desde 2015, foram assinados sete acordos de cooperação internacional que preveem a adoção de um ombudsman para investidores estrangeiros. Essa figura, a ser criada por um decreto presidencial, atuará como mediador entre investidores já instalados ou potencialmente interessados e autoridades brasileiras para resolver entraves.
O ombudsman será uma espécie de "janela única" à qual os estrangeiros poderão bater para buscar informações e defender direitos junto ao governo brasileiro, explica Anamelia Soccal Seyffarth, secretária executiva da Câmara de Comércio Exterior (Camex) e possível futura ombudsman. O profissional atuará em momentos nos quais os investidores demandam mudanças normativas, legais ou de políticas públicas. Há alguns meses, por exemplo, um grupo alemão conseguiu influir em mudanças de leis no Congresso para investir em energia solar e eólica aqui, mas sem amparo institucional oficial.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia