Porto Alegre, sexta-feira, 29 de abril de 2016. Atualizado às 08h49.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
8°C
16°C
6°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4970 3,4990 0,68%
Turismo/SP 3,4500 3,5900 1,10%
Paralelo/SP 3,4500 3,5900 1,10%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

senado 28/04/2016 - 19h54min. Alterada em 28/04 às 19h56min

Advogada Janaína Paschoal diz na comissão do impeachment que não é tucana

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/Divulgação/JC
Janaína Paschoal foi convidada para defender o pedido de impeachment na comissão especial do Senado

Agência Brasil

A advogada Janaína Paschoal começou sua explanação na Comissão Especial do Impeachment do Senado negando ser filiada a partido político. Ela foi convidada pela comissão para defender o pedido de impedimento da presidenta Dilma Rousseff, que apresentou junto com os advogados Miguel Reale Júnior e Hélio Bicudo.
Além de dizer que não tem filiação partidária, a advogada disse que não é golpista. "O processo não é partidário. Depois [de apresentado o pedido] os partidos de oposição abraçaram nosso pedido”, disse. “Não quero mais ouvir que sou tucana. Nós apresentamos esse pedido porque eles [tucanos] são uma oposição fraca. Veja bem a minha personalidade e me diga se eu sou tucana.”
Antes de Janaína, o advogado Miguel Reale falou por cerca de 25 minutos e, em seguida, respondeu a uma pergunta do senador Lindbergh Farias (PT-RJ). O senador disse que a edição de créditos suplementares é autorizada pela Lei Orçamentária de 2015 e que não houve dolo nas atitudes da presidenta Dilma Rousseff. “Um pedido de impeachment sem crime de responsabilidade, e eu estou convencido de que não houve crime de responsabilidade da presidente da República, é golpe”, afirmou Lindbergh Farias.
Reale disse que as práticas atribuídas à presidenta não foram isoladas em 2015, mas constituem uma ação continuada desde 2013. Ele respondeu ao senador que a presidenta praticou, sim, crimes ao editar decretos sem autorização do Congresso Nacional. “Um crime de responsabilidade sem punição é uma forma de golpe”, resumiu Reale.


COMENTÁRIOS
Miesco Gdynski - 28/04/2016 23h16min
Se não é tucana nem golpista, o que ela é?

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Discurso de Reale Jr. não se ateve ao crime de responsabilidade diz Lindbergh Cardozo percorre gabinetes para convencer senadores a votar contra impeachment
A primeira reunião foi com o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) na tarde desta terça-feira
Senado aprova US$ 482,5 milhões de crédito externo para Estados
Os empréstimos serão revertidos em projetos específicos de infraestrutura, meio ambiente e controle fiscal
Delcídio falta ao quarto depoimento e Conselho de Ética vota relatório na terça

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo