Porto Alegre, terça-feira, 12 de abril de 2016. Atualizado às 16h59.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
27°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5160 3,5180 0,65%
Turismo/SP 3,5100 3,6500 1,08%
Paralelo/SP 3,5100 3,6500 1,08%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

corrupção 12/04/2016 - 16h44min. Alterada em 12/04 às 16h59min

Paulo Maluf deixa lista de procurados da Interpol

ROVENA ROSA/ABR/JC
Quando estava na lista, Maluf poderia ser preso se viajasse para um dos 188 países onde a Interpol atua.

Agência O Globo

 O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) e o seu filho, Flávio, não constam mais na lista de procurados da Interpol, a polícia internacional. Quando estava na lista, Maluf poderia ser preso se viajasse para um dos 188 países onde a Interpol atua. A assessoria do deputado informou que ele não comentaria a exclusão.
O deputado e ex-prefeito de São Paulo havia entrado na lista em 2010 por causa de uma ação da Promotoria de Nova Iorque. Em 2007, a justiça americana determinou a prisão de Maluf pelos crimes de conspiração, auxílio na remessa de dinheiro ilegal para Nova Iorque e desvio de dinheiro público em São Paulo.
O deputado é acusado de embolsar, na época em que era prefeito de São Paulo, parte dos recursos da obras de uma avenida e mandá-los para a cidade americana. O dinheiro, em seguida, foi para a Suíça, Inglaterra e Ilha de Jersey, um paraíso fiscal.
Em 2014, advogados de Maluf propuseram um acordo à Promotoria de Nova York em que ele se comprometia a pagar US$ 1 milhão e dar um anel de rubi e diamantes, avaliado em US$ 250 mil, para se livrar da ordem de prisão. O anel pertencia à mulher do deputado, Sylvia Maluf, e tinha sido apreendido pelos promotores ao ser enviado para os Estados Unidos para ser leiloado. Não se sabe se esse acordo foi fechado.
Nos últimos dias, o deputado paulista voltou ao noticiário ao anunciar que votaria a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff, apesar da posição contrária de seu partido, o PP. "Sou contra esse tipo de política de negociar votos. Nunca fiz isso. Meus adversários dizem 'Maluf rouba, mas faz', no entanto, não estive no mensalão, não estou na Lava-Jato, nem no Panamá Papers", justificou Maluf, no Facebook, sobre a sua decisão.
Ao rebater um internauta que comentou uma de seus posts sobre o seu voto a favor do impeachment na comissão da Câmara, o deputado deu dicas de que havia deixado a lista da Interpol. "É bom se atualizar", escreveu Maluf, na semana passada, para um internauta que publicou uma reprodução da página da Interpol com o seu nome. Na lista de procurados da polícia internacional, ainda constam 160 brasileiros.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Moro defende intervenção do Judiciário para afastar corruptos da política
A argumentação de Moro consta na decisão em que ele determinou a prisão do ex-senador Gim Argello
MP denuncia dono do grupo Safra e mais cinco na Operação Zelotes Projeto '10 Medidas contra a Corrupção' será protocolado no Congresso
Iniciativa do MPF, o documento obteve 2 milhões de assinaturas
Campanha do MPF coleta 1,7 milhão de assinaturas para projetos anticorrupção
A procuradora regional da República Mônica Campos de Ré, que coordena a campanha no Rio, comemorou a adesão nacional e no estado

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo