Porto Alegre, quinta-feira, 28 de abril de 2016. Atualizado às 00h28.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
10°C
17°C
5°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5190 3,5210 0,02%
Turismo/SP 3,4500 3,6300 0%
Paralelo/SP 3,4500 3,6300 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 28/04/2016. Alterada em 27/04 às 20h58min

Brasil está ficando cada vez mais velho e rapidamente

Os que estão hoje na chamada terceira idade ou melhor idade, por certo, se lembram que, quando eram adolescentes, quem tinha em torno de 40 anos era considerado "um velho". Pois os tempos mudaram e, hoje, ter 60 anos não é nada demais.
A maioria das pessoas nessa faixa etária está de bem com a vida, muitas ainda trabalhando, e as doenças têm sido evitadas através de campanhas maciças de vacinação e visitas periódicas aos médicos.
Tanto é verdade que, no Largo Glênio Peres, houve uma feira com ofertas de emprego para quem tinha mais de 60 anos. Mais de mil pessoas se cadastraram. É uma boa ideia, adotada nos Estados Unidos desde os anos de 1970.
A Organização Mundial de Saúde informou que, em 2020, o número de idosos do planeta será maior do que o de crianças. Dados do Censo 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que a população brasileira acima dos 60 anos, que hoje é de 14,9 milhões, deve chegar a 58,4 milhões nos próximos 45 anos.
Os brasileiros não só estão envelhecendo mais como estão se casando com 30 anos ou mais. Mas a taxa de fecundidade está em 1,8 filho por mulher, quando a média mundial é de 2,1 filhos. Por isso, a constatação óbvia é a de que a população brasileira está envelhecendo.
Isso acarreta um sério problema na Previdência Social, que tem de arcar com custos de aposentadorias e pensões por mais tempo do que acontecia há 30 anos.
Acontece também que nas últimas décadas, a carreira profissional passou a ter mais peso na vida das mulheres, com um número cada vez maior de profissionais se preparando mais tempo ou se dedicando por uma jornada maior ao trabalho e, com isso, adiando a maternidade.
O fato é que a taxa de natalidade no Brasil terá estabilidade por cerca de duas décadas e, depois, começará a cair, ou seja, a população diminuirá, na comparação entre nascimentos e mortes.
Isso acontece em alguns países da Europa, nos quais até o governo - caso de Portugal - tem dado generosas quantias para que os casais tenham até três filhos. Tendo apenas dois, haverá somente reposição. Com três, teoricamente, haverá mais um habitante.
Os brasileiros estão vivendo mais e, via de consequência, a população está envelhecendo. Desde 2005, as taxas de fecundidade no Brasil têm sido inferiores ao nível necessário para a reposição da população.
Ou seja, um casal deveria ter, teoricamente e para repor a população, pelo menos dois filhos. Isso apenas para manter o mesmo número. Mas, no Rio Grande do Sul, temos uma fertilidade de pouco mais que um bebê por mulher.
Enfim, é uma boa ideia dar ocupação para quem está acima de 60 anos, geralmente aposentado, mas que deseja, além de um complemento salarial sobre as magras aposentadorias e pensões do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), ter uma ocupação.
Muitos idosos reclamam da solidão, eis que os filhos e netos têm lá as suas preocupações e profissões, com vidas independentes, às vezes ficando semanas sem contato direto com os pais e avós.
O que salva é a tecnologia da internet, mas, é claro, nada substitui um abraço, uma conversa ou um passeio conjunto da família. E a velhice abre muitos novos serviços para dar suporte aos idosos de agora.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Exportações ajudam as contas externas do País
Os problemas políticos e socioeconômicos se avolumam no Brasil nos últimos tempos
A mudança do clima que assusta a humanidade
Se é para falar do clima em termos globais, podemos, antes, mirar aqui mesmo, em Porto Alegre, quando, no final de abril, o calor ainda continuava forte
Investir o máximo em infraestrutura é prioridade
Deixando de lado opiniões pró e contra o andamento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), que segue seu trâmite, nunca é demais falar que o governo federal tem que investir mais e mais na infraestrutura nacional, seja, ou não, Dilma a presidente em meados de maio, após as votações no Senado.
Queda da arrecadação paralisa a União e o Estado
As más notícias atingiram as finanças da União e as do Rio Grande do Sul

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo