Porto Alegre, terça-feira, 26 de abril de 2016. Atualizado às 23h03.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
12°C
14°C
6°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,5180 3,5200 0,81%
Turismo/SP 3,4500 3,6300 1,35%
Paralelo/SP 3,4500 3,6300 1,35%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 27/04/2016. Alterada em 26/04 às 20h27min

Fim da Derrama e o começo de nova era

Paulo Guaragna

A liminar do STF que determina o cálculo de juros simples nas dívidas dos estados não irá causar a desordem econômica alardeada. Ao contrário, ao trazer alívio para as finanças estaduais, permitirá que os governos subnacionais retomem sua capacidade de investimento, podendo se configurar num novo horizonte e instalar a federação que os brasileiros anseiam. Com 70% das receitas disponíveis na União, restando 30% para estados e municípios, os entes subnacionais têm se limitado a gerenciar despesas fixas, abandonando quase todo investimento público estadual. E com a falta de uma política nacional de desenvolvimento, os estados se atiraram numa guerra fiscal fraticida na tentativa de irrigar suas economias. Mas ela se esgotou, e, se estados e municípios não tiverem recursos e autonomia, aí sim será o colapso. Com R$ 978 bilhões de serviços da dívida no orçamento federal de 2014, segundo a auditoria cidadã, o País, mais do que a carga tributária, está sufocado pelas altas taxas de juros. O investimento público e o privado estão travados por isto. Reside aí o problema. Dizer que o STF não pode manter a decisão liminar definitivamente é risível e não é verdadeiro. São R$ 30 bilhões pagos por estados e municípios frente a quase R$ 1 trilhão pago pela União ao sistema financeiro e investidores. Os R$ 313 bilhões de "perda" são escriturais e estão inflados por juros abusivos. Trata-se de um "ativo ilegítimo". Basta um ajuste na Selic que os R$ 30 bilhões reaparecem, sob a forma de redução de despesas. Por fim, sobre a decisão do STF: os juros compostos já foram condenados pela Corte. A Súmula 123 considerou esta prática ilegal. E se alguém acha que não dá para mexer na Selic, chamem o professor Stiglitz, Prêmio Nobel de Economia, que em recente entrevista fez recomendações para a economia brasileira, entre elas, a redução da taxa de juros. Se já cogitamos ter um técnico estrangeiro para nossa seleção de futebol, por que não ter alguém desta estirpe assessorando o Ministério da Fazenda para acharmos uma saída e retomarmos o caminho da vitória e da união nacional?
Auditor fiscal da Receita Estadual
COMENTÁRIOS


DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Fala, leitor!
Meço o que escrevo no jornal pelo retorno do leitor por meio do e-mail. Uns assinam, outros procuram pseudônimos
Nos limites da estabilidade política
Não temos, na nossa história política, momento como o de agora, em que chegamos aos extremos do risco da desestabilização
Tempo de plantar dias melhores
Nasci no ano em que Alcides Gigghia pelo lado direito fulminou Barbosa no lado esquerdo... Chute baixo e rasteiro
Opinião Econômica: Profecia

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo