Porto Alegre, segunda-feira, 11 de abril de 2016. Atualizado às 23h39.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
26°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,4930 3,4950 2,83%
Turismo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
Paralelo/SP 3,5200 3,6900 3,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE 
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 12/04/2016. Alterada em 11/04 às 20h04min

Maria da Penha: a lei existe

Roberta Larini

Muitas mulheres não admitem situação vulnerável, a da violência doméstica. Os indícios corriqueiros de comportamento violento no lar são: controle de dinheiro, excesso de ciúme, explosão de raiva e vigilância do parceiro sobre si. As formas de expressão da violência doméstica e familiar manifestam-se pelas vias física e psicológica, sexual, patrimonial e moral.
A Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, prevê agudas mudanças ao comportamento transgressor em rigorosa punição ao agente. No dia posterior à entrada vigorante da lei, houve prisão ao primeiro agressor, no Rio de Janeiro, por tentativa de estrangulamento a ex-esposa. Observemos, vítima, a ex-esposa.
O diploma protege a mulher na relação de convivência, afeto ou consanguinidade, a marido, namorado e companheiro, convivendo ou não no lar. Desde que agressor, vale ao ex que agride, ameaça ou persegue. Há previsão à violência cometida pelo pai, irmão, filho, padrasto e sogro.
A lei é homônima à Maria da Penha Maia. Seu esposo era agressor contumaz. Agrediu-a por seis anos e, ao cabo, tentou assassiná-la duas vezes, deixando-a paraplégica em 1983.
São muitas Marias da Penha por aí. A violência doméstica é cotidiana. Importante é reconhecer o agressor, jamais ele é vítima. Compreenda o abuso, pois corre perigo de morte. Quando agredida deverá agir. Registrar o fato na delegacia mais próxima solicitando a Medida Protetiva de Urgência. O serviço é integrado com o Ministério Público, Defensoria Pública e Centros de Referência de auxílio à mulher. Não perde o direito ao expor a situação afetiva perante autoridade. Deverá manter a medida e não retirá-la em audiência judicial. Estatísticas indicam: o agressor não muda, mesmo na promessa.
A lei prevê o afastamento do agressor do lar ou prisão preventiva, suspensão da posse de arma, proibição do contato com a mulher e familiar, e visita ao dependente.
Escrivã da Delegacia Especializada Para a Mulher de Novo Hamburgo/RS
 
COMENTÁRIOS


DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Não existe corrupção sem sonegação
Na esteira de uma grande jornada de combate à corrupção na política brasileira, onde fica evidenciada a participação de empreiteiras, partidos políticos, bancos e financeiras numa enormidade de transferências de recursos de mão em mão
Crise não precisa afetar qualidade de vida
Saindo do trabalho, uma manifestação nas ruas; na TV já faz tempo que as notícias não são boas
'Quem move o mundo?'
Hoje e amanhã, será realizada a 29ª edição do Fórum da Liberdade, idealizado pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE) na Pucrs, em Porto Alegre
Fanatismo
Como disse Roberto Campos, "A Constituição foi promulgada com a palavra 'direito' escrita 76 vezes, mas 'dever' aparece em apenas quatro momentos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo