Porto Alegre, segunda-feira, 04 de abril de 2016. Atualizado às 22h44.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6140 3,6160 1,51%
Turismo/SP 3,5800 3,7500 0,53%
Paralelo/SP 3,5800 3,7500 0,53%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Infraestrutura Notícia da edição impressa de 05/04/2016. Alterada em 04/04 às 21h21min

Obras em rodovias entre Tapes e Sentinela do Sul começam hoje

As obras de restauração das rodovias ERS-715 e ERS-717, entre Sentinela do Sul e Tapes, no Sul do Estado, começam hoje. O investimento, de R$ 10,64 milhões, faz parte do Programa Restauro, com investimento do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird). A previsão é de que o restauro esteja pronto em até cinco meses.
Embora o secretário estadual de Transportes e Mobilidade, Pedro Westphalen, tenha evitado estabelecer uma data de entrega, disse que o cronograma de obras pode sofrer alterações caso ocorra chuva intensa. A reforma é uma demanda antiga da comunidade, que sofre com o pavimento defeituoso do local.
A obra consiste na restauração completa, a fim de que o pavimento tenha capacidade para suportar o tráfego. "Devido ao peso dos caminhões que passam pelo local, fica até difícil prever a durabilidade do pavimento. O desgaste do asfalto também sofre com a ação do tempo e da chuva. Faremos uma reestruturação total, não somente uma operação tapa-buracos", explicou o diretor-geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), Ricardo Nuñez.
Na ERS-715, o trecho contemplado tem extensão de 3,4 quilômetros e vai do entroncamento com a BR-116, para Camaquã, até Sentinela do Sul. Na ERS-717, serão restaurados os 14,19 quilômetros de Tapes até o entroncamento com a BR-116, para Porto Alegre.
O tipo de asfalto a ser utilizado nas duas estradas é o mais comum, o concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ). De acordo com Nuñez, o material é o mais adequado para a região. "O tráfego lá não justifica o uso de asfalto de polímeros, de melhor qualidade e mais caro", esclareceu.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Nova ponte do Guaíba está 30% concluída Melhoria no asfalto das ruas da Capital será visível até junho Daer vistoriou todas as pontes e viadutos do Estado VLT do Rio promove campanha educativa

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo