Porto Alegre, quarta-feira, 06 de abril de 2016. Atualizado às 14h40.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
32°C
30°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6610 3,6630 0,46%
Turismo/SP 3,5900 3,8500 1,58%
Paralelo/SP 3,5900 3,8500 1,58%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

VAREJO Notícia da edição impressa de 06/04/2016. Alterada em 06/04 às 14h40min

Supermercados têm queda real de 1,91% nas vendas

JULIANE KESSLER/ AGAS /DIVULGAÇÃO/JC
Ranking Agas consagra empresas de todos tamanhos, diz Longo

Os efeitos da crise econômica atingiram o setor supermercadista gaúcho, que em 2015 registrou sua primeira queda real de vendas nos últimos 10 anos. A pesquisa Ranking Agas, realizada pela Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) com as 255 maiores empresas do ramo no Estado, mostra que, juntos, os supermercados do Rio Grande do Sul faturaram R$ 26,2 bilhões em 2015.
"Houve crescimento nominal de 8,76% em relação ao resultado de 2014", destaca o presidente da entidade, Antônio Cesa Longo. No entanto, descontada a inflação, houve queda real de 1,91% nas vendas do setor no ano passado. Foram ouvidas empresas com faturamento anual entre R$ 210 mil e R$ 5,5 bilhões. O dirigente aponta a diminuição do poder de compra dos consumidores, o crescimento do desemprego, maior endividamento dos gaúchos e aumento de preços como os principais fatores para o desempenho negativo.
O supermercadistas gaúchos finalizaram 2015 faturando R$ 26 bilhões, representando 8,69% do PIB estadual e 8,2% na participação das vendas do setor no País. "No Brasil, os supermercados somaram um faturamento de R$ 315,8 bilhões, o que significa uma queda real de 4% nas vendas nacionais", destaca Longo.
A mão de obra empregada no setor cresceu cerca de 1%, totalizando 94,5 mil colaboradores trabalhando em supermercados no Rio Grande do Sul. No ano passado, as empresas de porte médio foram as que mais cresceram no Estado, graças à capacidade de enxugar recursos, segundo avaliação do presidente da Agas. "Hoje, o supermercado de sucesso é aquele que consegue reduzir custos sem prejudicar seus serviços." 
Juntas, as 10 maiores companhias supermercadistas gaúchas somaram um faturamento de R$ 14 bilhões, representando 53,4% do total do setor - o que significa uma queda de quase um ponto percentual na concentração de mercado frente a 2014, quando a participação das 10 maiores foi de 54,3%. Com relação à empregabilidade, as 10 maiores perdem representatividade. "A participação dos 10 primeiros do Ranking na contratação de mão de obra é de 45,6%, com 43,1 mil colaboradores. É a prova de que que as empresas de médio e pequeno porte apostam nos diferenciais de atendimento para conquistar mercado", reforça.
Os consumidores colocaram o pé no freio e evitaram as compras com cartão de crédito, que registraram sua primeira queda em participação em cinco anos. Os pagamentos em dinheiro cresceram pela primeira vez em cinco anos, passando a representar 26,8% das compras em 2015. O cartão de débito manteve a liderança, com 27,3% das pessoas utilizando esta via.
Já o ticket médio por compras aumentou, passando de R$ 40,49 em 2014 para R$ 44,02 em 2015. Na avaliação de Longo, a elevação acompanha a inflação no período. "Também percebemos um acréscimo no número de visitas às lojas, já que o consumidor está muito preocupado em economizar e em encontrar promoções. O gaúcho é o consumidor mais exigente do Brasil e está mais atento do que nunca aos preços", destaca.
O estudo ainda indicou que 29,4% dos supermercados gaúchos pretendem fazer algum tipo de investimento em construção ou reforma de lojas em 2016. Ao todo, os supermercados ouvidos pela pesquisa deverão investir cerca de R$ 72,3 milhões em novas lojas e R$ 79,5 milhões em reformas durante 2016.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/gif/2016/04/06/206x137/1_super-469972.gif', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'57054955bacab', 'cd_midia':469972, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/gif/2016/04/06/super-469972.gif', 'ds_midia': ' ', 'ds_midia_credi': 'Arte/JC', 'ds_midia_titlo': ' ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '650', 'cd_midia_h': '277', 'align': 'Left'}

Entidade premia as companhias que mais cresceram no ano passado


A Agas premiará os supermercados gaúchos que mais se destacaram por seu crescimento no ano passado. Segundo o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo, a iniciativa volta a consagrar empresas de todos os tamanhos, distinguindo-as em 11 categorias. "Tivemos a preocupação de avaliar cada companhia de acordo com suas possibilidades de mercado, reconhecendo o trabalho feito por pequenas, médias e grandes companhias do autosserviço gaúcho."
Ao todo, 12 supermercadistas serão contempladas pelo crescimento, além de outras homenagens ao setor. A festa do Ranking Agas 2015 ocorrerá dia 13 de abril, a partir das 20 horas, no Grêmio Náutico União em Porto Alegre.

Homenageados


Categoria por faturamento anual e empresa
  • Até R$ 3,6 milhões Mercado Brasco Porto Alegre
  • De R$ 3,6 milhões a R$ 15 milhões Mercado Paolazzi Ltda. Gravataí
  • De R$ 15 a R$ 25 milhões Armazém Bom Preço São José de Norte
  • De R$ 25 a R$ 50 milhões Mercado Pozzobon Santa Maria
  • De R$ 50 a R$ 75 milhões Supermercado Santa Rita Porto Alegre
  • De R$ 75 a R$ 100 milhões Super Kan Porto Alegre
  • De R$ 100 a R$ 150 milhões Unisuper Porto Alegre
  • De R$ 150 a R$ 200 milhões Supermercados Nicolini Bagé
  • De R$ 200 a R$ 300 milhões Righi Supermercados S. do Livramento
  • De R$ 300 a R$ 400 milhões Comercial Zaffari Ltda. Passo Fundo
  • De R$ 400 a R$ 1 bilhão Imec Supermercados Lajeado
  • Superior a R$ 1 bilhão Supper Rissul Esteio
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Shoppings sofrem com fechamento de lojas Apas estima queda real de 3% nas vendas da Páscoa ante mesmo período de 2015
A entidade estima uma retração de 3% em termos reais para o setor na data
Confiança em supermercados indica leve melhora para 2º semestre, diz Abras
O indicador que mede a expectativa para daqui a seis meses indica que a confiança saiu de 46,2 para 49, indicando uma melhora de humor para o próximo semestre
Iguatemi aposta em alta de 15% com a expansão

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo