Porto Alegre, terça-feira, 05 de abril de 2016. Atualizado às 23h47.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
32°C
25°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6780 3,6800 1,76%
Turismo/SP 3,5800 3,7900 1,06%
Paralelo/SP 3,5800 3,7900 1,06%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 06/04/2016

Só depois do impeachment

Rachado por conta da decisão de se manter na base do governo, o PP quer discutir o futuro agora. A legenda, recém-incrementada e com a terceira maior bancada da Câmara, foi alçada ao patamar de maior aliado e recebe afagos do Palácio do Planalto e promessas de ministérios com muitos recursos. Ao mesmo tempo, não inspira confiança o suficiente na presidente Dilma Rousseff (PT) para conseguir esses cargos antes da votação do impeachment. Dilma só vai fazer a reforma ministerial depois da votação final do seu impedimento, marcada para o dia 17 de abril, justamente para evitar traições.
Nova tentativa
Ao mesmo tempo, uma ala considerável do partido pressiona o diretório nacional para se afastar do governo. Progressistas gaúchos se reuniram com o presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI), para pedir uma outra convenção para decidir antes do impeachment sobre a permanência no governo. "Manifestamos nosso desconforto com notícias sobre possível permanência no governo Dilma. O PP deve sair imediatamente do governo", disse a senadora gaúcha Ana Amélia Lemos. Nogueira prometeu se reunir com parlamentares de seu partido e decidir. Outro motivo para reunir a bancada federal é fazer um teste de forças. As estimativas é de que quatro dos seis senadores e 25 dos 51 deputados do partido estão a favor do impeachment. Mas ainda não se sabe o impacto que as promessas de cargo terão. "Acho difícil o PP recusar apoio. Não temos nada, e eles têm tudo", disse o deputado federal gaúcho Luis Carlos Heinze.
Suicídio do PMDB
O PMDB meteu o vice-presidente Michel Temer num nó quando decidiu sair da base governista. Como a legenda saiu, mas não saiu, os ministros peemedebistas não entregaram o cargo, e a direção do partido ameaçou-os de expulsão. A saída foi acionar o Comitê de Ética Partidária do PMDB para punir os desobedientes. Mas isso ficaria feio para Temer. "Iria ficar mais notório o desejo dele de derrubar a presidente Dilma Rousseff", disse o deputado federal gaúcho José Fogaça (PMDB). Para poder aplicar as punições, Temer teve que se licenciar da presidência do PMDB para que o senador Romero Jucá (RR) pudesse se ocupar de punir os ministros que não entregaram os cargos. Temer ainda tem um problema. O Supremo Tribunal Federal obrigou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a aceitar pedido de impeachment contra Michel Temer. O argumento é que, se há um pedido contra Dilma, Temer também teria participado. "Quanto mais o PMDB incrementa o impeachment, mais aniquila as próprias pretensões", disparou Fogaça.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Lula e o impeachment Impeachment em pauta
"Qualquer coisa que se discuta no Congresso, o assunto impeachment entra no meio." A frase do senador gaúcho Paulo Paim (PT) é representativa dos tempos que o Parlamento vive
Ministros do STF se manifestam Outros desembarques

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo