Porto Alegre, terça-feira, 08 de março de 2016. Atualizado às 22h52.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
29°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7380 3,7400 1,47%
Turismo/SP 3,6900 3,9100 1,01%
Paralelo/SP 3,6900 3,9100 1,01%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 09/03/2016. Alterada em 08/03 às 22h27min

Opinião econômica: Será o fim

VALTER CAMPANATO/abr/jc
Delfim Netto foi ministro, embaixador e deputado federal

Delfim Netto

Deveria ser evidente que o conhecimento de como funciona o sistema econômico de qualquer sociedade é um problema empírico. Não pode ser deduzido teoricamente porque a evolução de qualquer organização política e do necessário sistema econômico nela embebido são historicamente contingentes. Portanto, não é possível deduzir relações de comportamento dos seus agentes à imagem das "leis" naturais que habitam o mundo físico que, numa certa medida, são atemporais e a-históricas.
É tempo de reconhecer com clareza que passou o momento de crer nas "grandes teorias" concebidas por brilhantes cérebros peregrinos que pensaram ter "descoberto" as leis da história. Uma teoria sem um fato é tão inútil quanto um fato sem uma teoria.
As mais encantadoras das "grandes narrativas" continuam a sobreviver, mas apenas como um componente residual na "cultura" que nos identifica. É tempo de aceitar o fato de que as populações estão cansadas e desacorçoadas com os sofrimentos impostos pelo pensamento mágico, que sugere transcender as condições físicas que as constrangem, com o apelo à ilusória "vontade política", pois eles sempre terminaram no "populismo" barato que, no final, sai-lhes muito caro...
Neste instante em que o País testemunha as trágicas consequências de uma política econômica voluntarista, mesmo o indivíduo mais modesto "sente" que o único caminho que lhe resta, é encontrar um emprego remunerado e continuar a receber um apoio que lhe dê proficiência funcional e lhe permita, com seu próprio esforço, conquistar a cidadania.
Mas todos "sentem" que isso só acontecerá se for restabelecida a confiança entre a sociedade e o poder incumbente que, com as informações então disponíveis, ela mesma elegeu. É condição necessária (ainda que não suficiente) para a retomada do crescimento sustentável e inclusivo.
É insensato, por outro lado, negar que, de 2003 a 2011, beneficiado por uma excepcional expansão externa, o Brasil melhorou: cresceu média 4,1% a.a. -40% acumulado, aumentou a igualdade de oportunidades, reduziu a desigualdade, manteve a inflação relativamente controlada, gerou superávit primários médio de 3,1% do PIB e estabilizou a relação Dívida Bruta/PIB (após reduzi-la) em 52% do PIB. Infelizmente, para controlar a inflação valorizou a taxa de câmbio e destruiu a indústria nacional!
Uma enorme miopia ideológica a partir de 2012 impediu que o governo visse que as condições objetivas tinham mudado e que era hora de também mudar a política econômica. Insistir na mesma foi um erro. Aprofundá-la, como sugere o "Programa Nacional de Emergência" do PT, será a destruição final do governo de Dilma Rousseff.
Economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Opinião econômica: Lições de 30 anos O mau silêncio
O silêncio, como é sabido, é um direito de todos, fato, inclusive, regrado pelo nosso ordenamento jurídico como forma de proteção ao indivíduo
Por que apostar na educação?
Está provado: países sob domínio de potências ou fragilizadas por lutas internas, quando recobram autonomia, apostam na educação
As mulheres no mercado de trabalho
Recente pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT), revela o crescimento da presença feminina em cargos de chefia em companhias de todo mundo

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo