Porto Alegre, quarta-feira, 16 de março de 2016. Atualizado às 00h31.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
32°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7620 3,7640 3,06%
Turismo/SP 3,6500 3,9300 4,24%
Paralelo/SP 3,6500 3,9300 4,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 16/03/2016

Incompetência e inércia

As manifestações de 13 de março apontaram numa direção única e com muita clareza de propósito. O governo do PT, depois de se sustentar por anos navegando numa conjuntura favorável, afunda o País na atual crise política, econômica e até moral. A Operação Lava Jato emergiu como um turbilhão, mostrando a corrupção por todos os lados e revelando a incompetência da política aliada à "inércia gerencial" de Dilma Rousseff (PT). Resta agora ao governo recolocar o País nos trilhos, no rumo do crescimento sustentável e com justiça social. É o desafio da reconstrução nacional. E não será levando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao comando de um ministério que o Brasil retoma o desafio da reconstrução nacional. Uma análise da senadora gaúcha Ana Amélia (PP) aponta que "o caminho é muito mais longo". Os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), são obrigados a dividir seu tempo entre comandar à sua maneira o Legislativo e defender-se continuamente das investigações que surgem a cada momento com denúncias criminais que os assombram.
Ampliando a crise
Está certa Ana Amélia quando diz que "o problema todo é que a crise não decorre de nenhum efeito externo, mas da incapacidade do governo, exclusivamente do governo, em colocar o País nos trilhos. Só isso. Toda a medida do Palácio do Planalto faz o governo afundar ainda mais seja no campo econômico, seja no campo político, como, por exemplo, essa ideia esdrúxula de trazer o ex-presidente Lula para o governo. É ampliar a crise para dentro do governo". O ex-presidente está sendo investigado na Lava Jato, numa competência jurídica entre a Justiça estadual de São Paulo e a Justiça Federal, que é comandada em Curitiba pelo juiz Sérgio Moro.
Adversário de si
Ana Amélia aponta que, durante muito tempo, o principal adversário do Planalto não foi a oposição, mas o próprio partido da presidente: o PT. "Lembra um pouco o cachorro correndo atrás do próprio rabo. O governo ataca a oposição, a oposição está quieta. Quem primeiro começou a derrotar o governo foi o PT e matérias em votação, como a Lei Antiterrorismo." A senadora criticou a resistência do PT, já que as fronteiras brasileiras são notoriamente frágeis.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Protestos divididos
Os protestos pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) aconteceram no dia 13 de março, exatos 52 anos depois do comício na Central do Brasil
Nó de marinheiro
A oposição já estava em obstrução e deve continuar até a comissão do impeachment ser definida
Os mimos de Cunha
Eduardo Cunha (PMDB-RJ) mostra que ele levou uma vida de luxo caríssima e, de acordo com o órgão, incompatível com o seu salário de deputado
Reforma tributária
Correndo contra o tempo, o deputado André Moura (PSC-SE) entregou o seu relatório à comissão que discute a reforma tributária

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo