Porto Alegre, segunda-feira, 04 de abril de 2016. Atualizado às 22h26.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,6140 3,6160 1,51%
Turismo/SP 3,5800 3,7500 0,53%
Paralelo/SP 3,5800 3,7500 0,53%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

lei anticorrupção Notícia da edição impressa de 05/04/2016. Alterada em 04/04 às 19h19min

Operações põem acordos de leniência na vitrine

NELSON ALMEIDA/AFP/JC
Operações Zelotes e Lava Jato colocaram acordos em evidência

Catharina Signorini, especial

Com a sanção da Lei nº 12.846/2013, conhecida como Lei Anticorrupção, estabeleceu-se a responsabilização objetiva, na esfera civil e administrativa, de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública. Contudo, escândalos envolvendo corrupção e desvio de verbas públicas, como aqueles investigados nas operações Zelotes e Lava Jato, continuaram acontecendo.
A edição da Medida Provisória nº 703/2015 alterou a redação de diversos dispositivos da Lei nº 12.846/2013, que passou a prever a possibilidade de celebração de acordos de leniência. Com isso, as empresas investigadas que colaborarem efetivamente com as investigações e com o processo administrativo poderão receber benefícios, tais como a redução da multa em até dois terços, isenção das sanções previstas no inciso II do artigo 6º da Lei Anticorrupção e das sanções restritivas ao direito de licitar e contratar previstas na Lei das Licitações.
Destaca-se que a participação do Ministério Público (MP) nas investigações garante maior segurança jurídica, uma vez que, antes das alterações promovidas pela edição da medida provisória, a Lei Anticorrupção previa apenas a participação da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Controladoria-Geral da União (CGU).
"Antes, a empresa confessava e entregava as informações e provas sobre o crime, o que facilitava muito o trabalho dos investigadores, pois recebiam documentos prontos do esquema. Porém, o Ministério Público podia reuni-los e abrir um processo criminal contra a entidade, o que é muito pior", explica a especialista em Defesa da Concorrência e Compliance do L.O. Baptista-SVMFA, Patrícia Agra Araújo.
A advogada afirma que a medida provisória tem dois problemas: a obrigatoriedade em confessar e o não compromisso em parar de praticar os atos corruptos. "Quando você confessa que um crime acabou, você está admitindo a participação e, além disso, entregando provas do delito. E parece óbvio que vão parar com os atos fraudulentos, mas não é, pois a obrigação não está prevista em lei. Não se pode deixar para interpretação", ressalta Patrícia.
O MP gaúcho ainda não acompanhou nenhum acordo, pois o Estado não regulamentou a forma que serão realizados os acordos. Porém, o promotor de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Civil em defesa do Patrimônio Civil, José Francisco Seabra Mendes Júnior, afirma que os tramites já se iniciaram. "Estamos discutindo sobre um dispositivo, tramitando na Casa, o qual nos permitirá regulamentar o procedimento. Quando isso ocorrer, poderemos iniciar os acordos, tanto é que empresas já pediram para fazermos parte do processo, pois, se acompanharmos, não poderemos iniciar ações judiciais." O Projeto Lei (PL) nº 45/15, que regulamenta a questão, de autoria do deputado Tiago Simon, está em tramitação na Assembleia Legislativa.
Para Mendes Júnior, o mecanismo só tem vantagens, para ambas as partes. "As investigações poderão se tornar mais ágeis e bem-apuradas com a participação do MP e com um maior número de envolvidos cooperando. Além disso, quando o PL que regulamenta essa atividade no Estado for sancionado, novos instrumentos de punição e principalmente de prevenção poderão ser desenvolvidos, pois a lei é uma busca pela ética."
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo