Porto Alegre, terça-feira, 16 de fevereiro de 2016. Atualizado às 07h05.
Dia do Repórter.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
31°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9950 3,9970 0,15%
Turismo/SP 3,7500 4,1200 0%
Paralelo/SP 3,7500 4,1200 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Governo do Estado Notícia da edição impressa de 16/02/2016. Alterada em 16/02 às 08h05min

Sartori pede apoio da bancada federal gaúcha

LUIZ CHAVES/DIVULGAÇÃO/JC
Deputados trataram de pautas de interesse estadual com o governador

O governador José Ivo Sartori (PMDB), junto com secretários, pediu ontem a ajuda dos deputados federais e senadores para encaminhar projetos que tramitam no Congresso Nacional e que são considerados prioritários para o Rio Grande do Sul. Sartori priorizou três pontos: a busca de recursos federais para a saúde, para a segurança e para pagar o piso salarial dos professores.
Para atender algumas das reivindicações do Palácio Piratini, os parlamentares se comprometeram em encaminhar propostas que tramitam no Congresso Nacional. Por exemplo, na área da Saúde, a Projeto de Emenda à Constituição (PEC) nº 01/2015 que altera a Constituição Federal, aumentando o percentual do orçamento da União aplicado obrigatoriamente na Saúde, de 14% para 18,7%.
A PEC de autoria do deputado federal Vanderlei Macris (PSDB-SP) prevê o aumento escalonado, ao longo de cinco anos: no ano seguinte à aprovação, a União seria obrigada a aplicar 15% do orçamento na Saúde; no seguinte, 16%; no outro, 17%; no próximo, 18%; até finalmente atingir o percentual de 18,7%.
A Secretaria Estadual da Saúde é uma das que acumula o maior passivo R$ 291.723.744,25 em repasses atrasados para os municípios do Rio Grande do Sul, onde programas de saúde são executados através de convênios entre prefeituras e governo do Estado.
Em dezembro de 2015, em uma reunião com representantes da Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Sartori se comprometeu em pagar os valores atrasados em 24 parcelas de R$ 12.155.156,01. Entretanto, os prefeitos reclamaram que o primeiro pagamento, que deveria ter sido depositado nas contas dos municípios até 31 de janeiro, não foi efetuado.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo