Porto Alegre, segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016. Atualizado às 22h34.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
29°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0020 4,0040 0,10%
Turismo/SP 3,8000 4,1400 0,24%
Paralelo/SP 3,8000 4,1400 0,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 01/03/2016. Alterada em 29/02 às 21h35min

A indiferença do poder público

Jussara Cony

O momento vivido pelos gaúchos e, em especial, os porto-alegrenses evidencia o quanto a ausência do poder público e a indiferença dos governantes são prejudiciais para o cotidiano de milhares de pessoas. Assassinatos, assaltos, roubos de carro e arrastões tornaram-se frequentes na Capital. Comunidades inteiras ficam reféns de tiroteios que acontecem a qualquer hora, ceifando vidas e com traumas irreparáveis. Mas parece que este drama pouco sensibiliza aqueles que deveriam estar planejando ações para a superação do problema. Recentemente, o secretário de Segurança do Estado, Wantuir Jacini, declarou que não anda "por essas vilas", não vai a "esse tipo de bairro". Pois bem, seria importante ir mais e conhecer melhor a realidade local.
Nestes bairros é que vive boa parte de nossos trabalhadores, homens e mulheres que ajudam no desenvolvimento de nossa cidade. Merecem respeito e atenção. Porém, a resposta tem sido inversa.
A indiferença e a ausência do poder público são latentes: faltam policiais nas ruas, melhores condições de trabalho e salário para estes servidores e ações preventivas. E falta maior interlocução entre Estado e município que precisam trabalhar juntos para enfrentar questões sociais crônicas que estão na raiz da violência. É preciso oferecer mais opções de educação, cultura e esporte para nossas crianças e jovens, garantindo uma formação humana sólida capaz de afastá-los da criminalidade. É necessário mais investimentos na infraestrutura urbana e equipamentos capazes de melhorar a vida das comunidades, bem como viabilizar a ocupação dos espaços públicos como forma de melhorar as relações interpessoais e humanizar Porto Alegre. A solução para a violência não é simples, nem de curto prazo. Mas, só terá início quando o poder público deixar a indiferença de lado e passar a estar presente na vida das pessoas a partir de um olhar mais humano e uma perspectiva de desenvolvimento e justiça social.
Vereadora em Porto Alegre (PCdoB)
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Opinião econômica: O estagiário Procura-se jovem que saiba calcular. E o que ele procura? Opinião econômica: Eu aposto no Brasil Sua empresa é sustentável?

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo