Porto Alegre, quarta-feira, 03 de fevereiro de 2016. Atualizado às 23h31.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
31°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9180 3,9200 1,70%
Turismo/SP 3,8500 4,1500 0,95%
Paralelo/SP 3,8500 4,1500 0,95%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 04/02/2016. Alterada em 03/02 às 20h25min

Um período para muito trabalho e reformas no País

Diz a voz do povo que o ano começa, de fato, no Brasil, após o Carnaval. Então, a partir da semana que vem, podemos pensar no País que almejamos. Ano após ano, queremos uma vida melhor, sem tantas preocupações com desvios de verbas públicas nem acusações que derrubam a autoestima da maioria da população.
No caso gaúcho, após mais um dos populares feriadões, recomeçam as aulas, tivemos vestibulares, muitos terminaram as férias enquanto outros recém saem para o descanso, seja no Litoral Norte, em outros destinos ou mesmo no exterior, embora o dólar em torno de R$ 4,00 tenha arrefecido o ímpeto dos gastos. Mas vaias e aplausos à presidente Dilma Rousseff (PT) na sessão inaugural do Congresso Nacional provam que estamos divididos.
Esse é um período que traz, simultaneamente, a esperança de que cheguem ao fim as mais de duas dezenas de operações promovidas pela Lava Jato, sempre descobrindo novas falcatruas. Temos tudo para recomeçar de verdade. Na vida pessoal, profissional e, o melhor de tudo, na administração pública. Não que tudo deva ser recomeçado, pois deve continuar o trabalho que tem dado certo. O planejamento, projetos, obras e ações em prol do interesse público.
A continuidade administrativa tem que ser implantada no Brasil. Projetos devem ser institucionais, após terem o devido debate e uma maioria apoiando. Não a unanimidade, que essa jamais será obtida. Se uma rodovia, um hospital, um reajuste para uma categoria, nova escola, acordos, empréstimos e pagamentos de contas atrasadas estão devidamente colocados no orçamento, têm projetos definidos e aprovados, que tudo seja continuado. O pessimismo e revolver o passado em busca de culpados não ajudam em nada.
Pelo contrário, só atrasam. Da mesma forma, nenhum governante deve incorporar o personagem Pangloss, de Voltaire, cujo excesso de otimismo o afastava da realidade. Atitudes previsíveis, sem administrações mercuriais, que sobem ou descem de acordo com a temperatura do momento, seja na política ou na própria emoção pessoal. Pede-se que tanto a presidente Dilma Rousseff como o governador José Ivo Sartori (PMDB), devidamente descansado após seu périplo de férias fora do País, ampliem o que pode ser assim feito. Corrijam alguns rumos e façam o Brasil e o Rio Grande do Sul avançarem.
Lembrem-se ambos que, quando no poder, debate-se com mais frequência sobre problemas frívolos do que aqueles que são importantes. É que os primeiros têm, normalmente, a compreensão de todos. Que Dilma Rousseff e José Ivo Sartori não esqueçam que o tempo cura quase tudo.
Por isso, devem dar tempo ao tempo, como nossos avós ensinaram. Da mesma forma, não é tão importante quão boa ou ruim é uma situação, pois ela mudará.
Neste ano, existe um misto de alegria e tristeza que paira sobre todos nós. Talvez porque o encontro e o reencontro atropelam as nossas emoções quando mostramos sorrisos, muitos abraços e alegrias. Nenhum de nós, menos ainda os governantes, pode esquecer que houve um conjunto de experiências que foram vividas de maneira sofrida e que todos nós gostaríamos de esquecer, tanto em nível de Brasil como no Estado.
No balanço do ano que passou, devemos contabilizar as coisas boas em primeiro lugar, com a alegria se difundindo em todas as direções de nossas vidas. Queremos lembrar de tudo e de tudo falar, predominando a felicidade, ainda que as perdas tenham sido inevitáveis ao longo de 2015.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Simulações superficiais perpetuam problemas no País
Chegou a vez de as acusações recaírem justamente sobre alguém que se diz paladino da República, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo